Vida de gente grande

Durante a infância, queremos que o tempo passe depressa mesmo sem saber ao certo o porquê. Quando adolescentes, continuamos impacientes, criamos fantasias sobre como será a vida adulta e mil ideias românticas acerca da tão desejada independência tomam conta dos nossos pensamentos.

Até que um dia a tal vida de gente grande chega com o pé na porta e, como um rolo compressor, anuncia que as regras irão mudar a partir daquele momento. Alguns sonhos terão de esperar, desafios surgirão diariamente, corações serão partidos com certa frequência e que o seu tempo será seu maior e mais precioso bem.

Visto dessa forma, crescer parece um pesadelo, mas não é. Ser gente grande pode até não ser um conto de fadas feliz, mas está longe de ser um sonho ruim. Transformações deixam marcas, mas quem disse que isso não é bom?

Sem perceber, nos tornamos adultos. Isso nos obriga a atuar em tantas frentes que a sensação de estar em muitos lugares ao mesmo tempo é constante. Somos um original capaz de se multiplicar em inúmeras cópias por uma única razão: não damos conta do recado o tempo todo. Por este motivo, voltamos a ficar impacientes com o tempo, agora pelo motivo oposto. Desejamos desesperadamente que ele diminua seu compasso e que não passe tão depressa.

Nesse ritmo intenso, os dias passam como se fossem minutos e os anos parecem fluir como se fossem semanas. Isso cria uma espécie de ciclone cronológico que nos confunde imensamente e de tal forma, que chega a alterar a nossa percepção sobre o tempo, estabelecendo confusões mentais que nos fazem questionar o que passamos, quando e com quem. Coisas do tipo: Aquele encontro com os amigos aconteceu há um mês, certo? Errado. Foi há três meses. A melhor viagem da sua vida foi há dois anos. Não, foi há 4 anos. Seu filho, que nasceu “outro dia desses”, se transforma em uma pessoa diferente a cada dia e bem diante dos seus olhos… Estas são provas incontestáveis do poderoso ritmo que a vida adulta nos impõe.

Para ser gente grande é preciso fazer parte de um esquema complexo. Entender que seu ritmo e seu tempo avançam com passadas bem largas, fazem algumas pausas que permitem um descanso rápido para, em seguida, retomarem sua jornada acelerada e sem rumo certo.

Às vezes tenho a impressão de que o tempo acelera sempre que tomamos decisões. Pense em todas as vezes que decidiu começar alguma coisa, um curso novo ou um novo trabalho. Basta iniciar algo para perceber que o tempo corre mais rápido e, quando nos damos conta, anos se passaram e sequer somos capazes de distinguir o que de fato aconteceu naquele período.

A espera e a dúvida que precedem decisões criam um estado de animação suspensa. A tomada de decisão libera as amarras do tempo. Dessa forma, seguimos apressados, tentando entender o que houve conosco desde que nos tornamos “donos do próprio nariz”. Raramente temos a sorte de compreender esse processo, mas de um jeito ou de outro, sabemos que, independente do que conseguimos apreender da vida, seguiremos em frente, ansiosos pela próxima surpresa.

Crescer e aprender a viver é, sem sombra de dúvida, uma daquelas aventuras que conhecemos apenas o ponto de onde partimos. Por isso fazemos planos sem saber se serão realizados. Nos apaixonamos sem garantias. Sonhamos inúmeras vezes. Abandonamos alguns sonhos pelo caminho, mas realizamos outros tantos. Ser adulto requer, acima de tudo, resistência.

Sabemos que o tempo muitas vezes levará consigo informações preciosas, mas não podemos perder de vista que a correria, em algum momento, se transformará em caminhada, que as imagens borradas por conta do excesso de velocidade, voltarão a ter forma, textura e definição. Neste momento finalmente percebemos que tudo aquilo que vivemos ficou registrado, que nada foi em vão e que, a partir desse ponto, as experiências acumuladas nos permitirão, enfim, entender como foi boa a vida de gente grande.

7 pensamentos em “Vida de gente grande”

  1. Sobre o inicio do texto, tinha medo de virar adulta e td virar um pesadelo… mas hj percebo que vai ser algo bom p mim…

  2. Ah o tempo…. se pudéssemos freá-lo…
    O que muda com o “virar adultor” é o que a norma estabelece: seja responsável. Seja homem. Seja independente. Estude, arrume um bom emprego, case, tenha filhos, compre um carro e um apartamento…. e pra dar conta disso, todo nosso tempo vai sendo consumido. Mas é bom demais realizar, né? Ver resultados. E isso, leva tempo!
    Ótimo texto, garoto!

  3. É mesmo muito estranha essa coisa do tempo. Me lembro com tanta nitidez de tantos momentos que aconteceram na infância. Difícil de acreditar que já está tão longe. Me lembro como se fosse ontem do querido Tio prof dando aquela bronca na gente, turma de segundo grau. Eu achando que já era gente, hahaha. Isso tem 20 anos!!!!! Tem gente que já está na faculdade e não tem 20 anos.
    Eu não tenho maturidade pra lidar com isso. Tempo, passa devagar por favor. Me deixa saborear esses momentos, pq qdo vc parecia passar devagar, eu não sabia saborear ainda.

    1. Precisamos de uma nova forma de entender o tempo, Luizalessa! Desse jeito fica difícil saber o ontem foi há um ano ou há 20… Mas o importante é que, apesar de passar em alta velocidade, o tempo tem deixado boas marcas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *