Vamos falar a verdade?

A verdade é aquilo que todos desejam saber. Brigam por ela e se desesperam quando percebem que muitas de suas conquistas foram construídas sobre pilares repletos de inverdades. Seja nas relações de trabalho, amor ou amizade, a verdade sempre é posta como um prêmio a ser disputado, conquistado e cobrado… do outro.

Vivemos tempos sombrios onde ser verdadeiro virou artigo de luxo. O que abre espaço para a criação de artigos mais acessíveis que funcionam como genéricos de baixa qualidade e eficácia: as verdades instantâneas. Elas costumam ser usadas sempre que uma atitude transparente é cobrada… pelo outro.

Você é invejoso? Já quis xingar alguém que nunca te valorizou? Traiu a confiança de quantas pessoas? Já mentiu para quem ama? Estas perguntas foram respondidas, certamente, mas fica uma dúvida. Você foi profundamente verdadeiro em suas respostas ou apenas respondeu rapidamente para satisfazer a vontade do outro, se livrar da pressão e seguir em frente?

Se seu desejo foi sair pela tangente, com respostas curtas que dão conta de corresponder as expectativas alheias, parabéns, você é mais um usuário daqueles atalhos que são ditos e que até podem ser verdadeiros, mas que não comprometem mais que o necessário.

Ser verdadeiro assumiu patamares desafiadores. Desde criança fomos ensinados a sempre dizer a verdade, doa a quem doer. Porém, em paralelo, também fomos apresentados ao estilo “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. O melhor exemplo disso é quando pegamos um deslize de nossos pais e ouvimos um “não conte isso ao seu pai” ou “a sua mãe não pode saber, ok?” Neste momento entendemos que, o que antes era absoluto, se transformou em relativo e que verdades podem ser facultativas de acordo com a ocasião.

Ao mesmo tempo que somos doutrinados a dizer a verdade, somente a verdade e nada mais que a verdade, também aprendemos que ela não precisa ser dita o tempo todo. Isso explica muitas coisas sobre o comportamento das pessoas…

Saber a verdade sobre o outro satisfaz a nossa curiosidade e, de certa forma, nos deixa em vantagem. Contar a nossa verdade sem filtros pode, com frequência, expor fragilidades. Assim, baseados nesse eterno jogo de xadrez, tocamos a vida fazendo escolhas. Ora queremos verdades dolorosas, ora desejamos mentiras sinceras.

Sem juízo de valor, é fato que circulamos entre dois pólos e a escolha entre ser verdadeiro ou mentiroso, dependerá de como cada um de nós conduz a própria vida. Encaramos o desafio diário que nos mostra que ser um mentiroso contumaz e viver em uma realidade distorcida, pode provocar danos severos. Assim como, expressar verdades absolutas sobre tudo e todos também provoca alguns estragos.

O que fazer então? Escolher o caminho do meio e assumir que somos dúbios na essência e, por isso, levamos os extremos dentro de nós? É uma boa saída e talvez seja a única possível. Mas é preciso cuidado. Desvios de caráter normalmente alteram a percepção do real e podem transformar pequenas verdades escondidas em desgraças monumentais.

A noção sobre ser verdadeiro foi alterada de alguma maneira. O que antes era uma forma de encarar a vida, tornou-se uma atitude quase leviana que se ocupa em dar respostas furtivas a perguntas aleatórias. O que na prática, significa dizer que só seremos verdadeiros se houver uma demanda.

A verdade não pode ser uma moeda de troca. E não é. É preciso ser verdadeiro com as posições que assumimos diante da vida. É preciso ser verdadeiro com a pessoa que decidimos ser e, acima de tudo, é necessário ser coerente nas escolhas e estar sempre atento aos caprichos da verdade.

5 pensamentos em “Vamos falar a verdade?”

  1. A verdade absoluta realmente não existe. Somos seres pensantes, questionadores, diferentes nos sentimentos e com tipos de inteligências diversificadas. Ao despirmos o ego – nossas verdades – abriremos portas a outras verdades e assim chegaremos, quem sabe, a iluminação que é a ausência do ego.

  2. #A verdade é a verdade. E o oposto idem. Ponto.
    Viver em sociedade e o bem estar coletivo exigiu distorções para a boa convivência. O problema está em, mesmo sendo possível viver na verdade optar pelo contrário, para ser bom ou para ser covarde por exemplo e, do outro lado, viver na mentira para esconder fraquezas ou para ser cruel.# Muito boa reflexão. Ótimo texto.

  3. A verdade é somente um ponto de vista. Parafraseando o poeta: “Quem acredita na mentira, verdade lhe parece!”
    🤔😉

  4. Mentir, trair, ter ciúme e inveja…
    Tudo isso é parte dessa experiência humana. Acho que o importante é aprender com isso. E ver que essas atitudes/sentimentos não trazem coisas boas pras nossas vidas.
    Mas fazem, sim, parte de um processo de evolução…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *