Voltas que a vida dá

Subir e descer. Cair e levantar. Dar a volta por cima… Frases diferentes, mas que trazem algum significado para aqueles momentos onde tudo o que enxergamos é o chão sob os nossos pés. Horizonte nada agradável que, certamente, nenhum de nós gostaria de admirar por mais tempo que o absolutamente necessário. Mas, apesar de incômodo, estar por baixo, seja lá por qual razão, ajuda a criar uma perspectiva inesperada sobre a realidade que ficou para trás, no instante em que tropeçamos em uma das voltas que a vida dá.

Mas este texto não tem a menor intenção de mostrar saídas ou de apresentar um manual de como levantar-se dos pós queda. Ao contrário. O objetivo aqui é enaltecer a importância dessa roda gigante que se movimenta quando e como quer, obrigando que tudo ao seu redor se mova, seja para acompanha-la, seja para dar passagem a sua trajetória irrefreável. Seremos chacoalhados dos nossos altares de segurança, sobre isso não resta dúvidas, a questão é saber como lidar com os altos e baixos que a vida nos apresenta. Cabe uma sugestão? Aceitar.

Travamos lutas internas frequentes, por não aceitarmos os momentos em que o copo está meio vazio ou a gangorra está presa ao chão. E há uma razão para isso. Aprendemos desde a mais tenra infância que não podemos abrir a guarda para a derrota. Não lidamos bem com a ideia de insucesso pois não fomos treinados para suporta-lo. Acho que isso explica muitas coisas que vemos por aí, não é?

Conquistar aquilo que desejamos é incrível, claro. Mas, sabemos muito bem que ganhar sempre, em todos os campos, é improvável, para dizer o mínimo. Logo, precisamos parar de temer a derrota. O que não significa tomar gosto pela queda e sofrimento. Nada disso. O que precisamos fazer é encarar a derrota, assim como fazemos, tão naturalmente, com a vitória.

Querer ganhar sempre não é um problema. É apenas ingenuidade disfarçada de proatividade e, o quanto antes percebermos isso, menor será a carga de frustração quando o êxito não chegar. Percebam que, quando ganhamos, esquecemos alguns dos passos que nos conduziram até a vitória. Já na derrota, os degraus ficam gravados em nossa memória por muito tempo, obrigando a refazer, muitas e muitas vezes, a trajetória que nos levou até a queda. Se isso não é uma forma de aprendizado, não sei mais o que pode ser.

Pode ser clichê, mas é inegável que aprendemos com nossos passos em falso. Tentar ignora-los é o nosso erro mais recorrente. Continuar reforçando a imagem do perdedor é antigo, é tolo, é cínico. A roda de todos nós irá girar, em velocidades diferentes e ritmos variados, mas vai girar. E isso nos fará perceber que ganhar é bom, mas é ponto final. E que perder é ruim, mas é, também, a possibilidade de uma nova chance, nos momentos em que nada mais parece dar certo. Estes altos e baixos, ajudam a compreender que ganhar e perder são lados igualmente importantes, da mesma moeda.