Viver é inevitável…

            Os dias vêm e vão. Transformam-se em semanas, meses, anos e décadas. Esse avanço irrefreável do tempo, impõe a todos, incontáveis barreiras que imprimem novos caminhos, escolhas e consequências, a uma velocidade difícil de alcançar. Por vezes, diante da impossibilidade de vencer o tempo, criamos moldes imprecisos que nos permitem algum encaixe, mesmo que isso provoque algum desconforto. Mas, apesar desses subterfúgios, é difícil burlar a vida por muito tempo e, em algum momento, ela irá nos mostrar que viver é inevitável.

                  Esse caminhar acelerado do tempo, estabelece diferentes formas de interação com o mundo. Alguns preferem viver sem colete de proteção, como se o amanhã não fosse chegar, enquanto outros pisam do freio e apertam seus cintos, na esperança de conseguir controlar o que não tem controle. E, há aqueles que tentam o caminho do meio entre o exagero ansioso e a austeridade segura. Mas, no fundo, pouco importa a forma escolhida, uma vez que a vida não faz consultas prévias. Se estamos acima deste solo e debaixo deste céu, é preciso aceitar que viver é mandatório.

                Tem gente que nasce, cresce, gera descendentes, envelhece e morre, sem, jamais, se dar conta se, isso era, ou não, viver. Completar o ciclo da vida com sucesso, não traz nenhuma garantia de uma vida, de fato, bem vivida. Em muitos momentos, ligamos o piloto automático que a tudo controla. Ele nos acorda, leva ao trabalho, paga as nossas contas, permite alguns momentos burocráticos de lazer, nos põe para dormir e traz a certeza de que, no dia seguinte, tudo será, exatamente, como no dia anterior. Isso é viver?

            A forma como decidimos levar a vida está, em grande medida, baseada nos hábitos que criamos. Hábitos que ora indicam os extremos, ora sinalizam o caminho do meio. Mas, independente disso, é preciso ir além dos meus ou dos seus hábitos. Eles são apenas reflexos da forma como enxergamos a vida e, cada um de nós a vê sob uma perspectiva. Afinal, a vida não é uma pintura onde todos conseguem enxergar a mesma paisagem. Nascemos com horizontes pré-programados diante de nós. Amplia-los é uma questão de escolha, de luta e de oportunidades.

           Perceber que viver é inevitável, já é um bom ponto de partida para uma mudança. É o que nos faz enxergar para além dos hábitos, das convenções e da opinião alheia. Ter noção da importância da vida, não pode ser algo que se tem, apenas quando nos deparamos com a maior de todas as nossas certezas. Tentar dar valorizar a vida diante de seu obrigatório fim, é, de longe, o nosso maior engano.

           Todos nós conheceremos o fim disso que chamamos de vida, e isso não se discute. Mas, até que esse derradeiro dia chegue, teremos milhares de novas chances de contar a nossa própria história. Cabe a nós decidirmos se nossas vidas serão lidas como um belo romance ou como um monótono manual de instruções. Dentre todas as coisas que a vida nos impõe, nada pode ser mais importante do que aceitar o inevitável desafio de viver.