Simples escolhas?

Outro dia, me peguei pensando em como seria se eu tivesse feito escolhas diferentes das que fiz. E comecei a imaginar onde estaria agora, quem estaria ao meu lado, onde estaria trabalhando ou se teria os mesmos amigos… Olhar para nossa própria existência com outros olhares pode ser um excelente exercício de autoavaliação. Resta saber o que faremos com o resultado final dessa prova. Daí me dei conta que, tantas questões sobre as vidas que poderia ter tido, estavam condicionadas a simples escolhas. E que escolhas podem ser tudo, menos coisas simples.

Olhar para dentro e imaginar nossos universos paralelos é uma tarefa que dominamos há tempos. Mas, quando estamos imersos em nossas rotinas, sequer percebemos as escolhas que fazemos. Mudar de itinerário para o trabalho, almoçar em lugares diferentes ou apresentar propostas usando novos recursos, são atitudes que dependem de escolhas simples em princípio, mas que, na verdade, podem nos conduzir a lugares quem nem a nossa fértil imaginação seria capaz de conceber.

Parar e pensar em como seria a vida, se tivéssemos escolhido caminhos diferentes, é simples, apesar do efeito colateral indesejado que pode acompanhar essa ação – a ressaca de frustrações. Parar e perceber nossas esolhas em tempo real é como tentar enxergar coisas muito pequenas, que fogem do nosso raio de percepção. Elas estão lá, mas não conseguimos reconhece-las. É como se tateássemos no escuro a procura de agulhas em palheiros gigantescos. Parece complicado, certo? E é, mas está longe de ser impossível.

Esse intervalo entre o que teria sido e, o que está por vir, movimenta uma engrenagem poderosa que nos desafia a cada instante. Ser quem somos é uma soma de escolhas. Ser quem gostaríamos de ser, mas não somos, é uma projeção das escolhas que não tivemos. Parece confuso, mas esse caldeirão de possibilidades é o que nos ajuda, diariamente, com as escolhas que fazemos, sejam elas conscientes ou não. Mas, independente das portas que se abrem ou fecham por conta das nossas opções, é preciso ter muita clareza que, a tomada de decisão é pessoal, intransferível e gera desdobramentos. Ou seja, fazer escolhas nem é tão complicado assim, agora, sustenta-las…

Esse texto não trata da dificuldade que cada um tem com as suas escolhas e, sim, em como elas sacodem as nossas vidas, como se estivéssemos à deriva em um mar revolto, aguardando por um resgate que nem sempre aparece. Escolhas provocam turbulências, sacolejos e surpresas, como em um jogo onde não sabemos qual será a próxima fase. Não escolher, nos coloca como observadores de uma tela que retrata uma bela paisagem com a qual jamais seremos capazes de interagir. Diante desse panorama, qual seria a sua escolha?

No fundo, o que todos queremos é que nossos caminhos sejam sempre incríveis e repletos de boas escolhas. Sonho? Sim, e daí? Acreditar que a trilha será tranquila e feliz, é o que nos faz seguir em frente, mesmo sabendo que aquilo que escolhemos, impacta a todos que estão ao nosso redor e o contrário também é verdadeiro. Acomodar-se nas escolhas do outro e permitir que outros sejam acolhidos pelas nossas decisões, é o grande desafio dessa brincadeira.

Boas e más escolhas vão e vem. Ora elas trazem luz, ora escurecem tudo a nossa volta. O que devemos fazer diante disso? Imaginar como teria sido se tivéssemos feito diferente, pode ser um bom começo para que novas possibilidades, transformem-se em realidade. Só que, para isso, não há receita de sucesso. O que nos deixa diante de uma situação nada fácil – viver intensamente, cada uma das nossas simples escolhas.