Reticências…

Que tempos são esses em que precisamos defender o óbvio? Nem Bertold Brecht conseguiria responder a essa pergunta se ainda estivesse entre nós. Estamos criando um hábito muito perigoso, nesses dias em que não encontramos respostas para tudo isso que vivemos. Por conta disso, nomeamos como loucura o que, na verdade, é desvio de caráter. E isso não é justo. Essa aparente insanidade coletiva nos impede de bater o martelo sobre muitas coisas. É como se, de uma hora para outra, as urgências perdessem o lugar na nossa escala de importância, as certezas dessem espaço para o imprevisível e as reticências assumissem o protagonismo em nossas vidas.

Esse estado de apatia compartilhada, certamente não é algo desejado por nenhum de nós. É algo muito bem pensado por aqueles que se favorecem da nossa falta de reação diante de um sem número de estímulos que, em sua maioria, só servem para minar a nossa compreensão sobre os fatos que nos cercam. Os efeitos dessa letargia são vários e nos afetam de formas distintas, mas, quase sempre, conseguem promover uma grande confusão mental, que nos impede de compreender, de fato, os absurdos que confundem a nossa percepção sobre o certo e errado. O que nos paralisa entre a dúvida e a decisão. Como saber para onde ir, se não conhecemos o nosso ponto de partida?

Essa percepção toma corpo em momentos em que a verdade é ameaçada pela incerteza de forma tão sútil e sorrateira, que impede posicionamentos que assumiríamos facilmente, em um passado não tão distante. Não conseguir deliberar sobre o que antes era simples, é fruto desse caos que nos governa, onde pouca coisa está clara, exceto o desejo de alguns em nos manter alheios, sem a nossa fundamental capacidade de tomar as nossas próximas decisões.

É estranho abordar as reticências sob este contexto. Essas longas pausas, por quem tenho enorme apreço, ajudam a organizar pensamentos e traçar estratégias para continuar uma caminhada. Em condições normais, temos o controle sobre quando e de que forma, devemos parar, respirar, entender para, então, seguir em frente. Porém, a realidade nos roubou, momentaneamente, o domínio sobre algumas de nossas escolhas.

Mas, o que parece uma derrota é, na verdade, uma grande oportunidade. Usar esse tempo em suspensão, para enxergar além das aparências, pode nos ajudar a ressignificar valores, amizades, posicionamentos e prioridades. Isso talvez facilite a nossa caminhada em direção a esse novo mundo, que se apresenta misterioso e cheio de reticências inesperadas.