Influências à parte

            Quem disser que nunca foi influenciado por alguém, em algum momento da vida, deve fazer um exame rápido de consciência. Esse fenômeno é tão poderoso que, mesmo quando não percebemos, lá estamos nós seguindo, assistindo, comentando e replicando informações que nos foram passadas por aqueles que falam com as massas. Sim, fazemos parte dessa multidão ávida por saber mais sobre o que fulano acha, veste ou diz. Influências à parte, o que queremos mesmo é um influenciador para chamar de nosso.

            Mas, o que é intrigante de fato, não é somente a forma como moldamos a nossa maneira de ver o mundo e, sim, quem conduz a construção desse olhar. Se pensarmos em personalidades que fazem ou fizeram a diferença na nossa forma de interagir com a realidade, não daremos conta do número de nomes dessa lista. O que significa dizer que, apesar das discordâncias, passamos pelas mãos de muitos influenciadores vida afora.

            Não acredita? Então faça uma busca em suas fotos e memórias. Lá você irá encontrar várias referências, que vão desde a sua forma de vestir, até as suas músicas preferidas. É curioso perceber que, independente da época, continuamos sendo como telas prontas para receberem tintas com diferentes nuances e que são capazes de criar formas que podem ser alteradas o tempo todo. Renovando, com frequência, a forma como nos mostramos ao mundo.

            Uma vez que, as influências são nossas parceiras constantes desde que esse mundo é mundo, por qual razão passamos a reclamar da influência daqueles quem nos influenciam? Resposta nada fácil. As coisas mudaram e ressignificaram o poder dos influenciadores. Os livros, os líderes políticos ou religiosos, o rádio, o cinema, a televisão, a internet… Todos são responsáveis por escreverem a história e o comportamento. O que nos leva a crer que não seríamos quem somos, não fosse a forma como somos influenciados através dos tempos.

        Mas, é claro que, apesar do apelo, é necessário que exista um filtro individual que nos diga até onde podemos ser influenciados, sem que nos tornemos rascunhos mal feitos de influenciadores. A internet renomeou os ídolos. Muitos são conhecidos nos dias de hoje como blogueiros ou digital influencers… Mais do mesmo. De fato, continuamos a mirar figuras populares em seus nichos e que continuam sendo capazes de reunir milhões de fãs, que agora chamamos de seguidores.

      As mídias sociais acolheram esses influenciadores modernos, que seguem nos entretendo, passando a falsa impressão de que ali, tudo é assombrosamente espontâneo. Não, não é. E tudo bem se continuarmos a seguir as nossas deliciosas ilusões, desde que jamais nos esqueçamos que, apesar das influências, somos responsáveis pela manutenção da nossa preciosa originalidade.

O amor e seus parceiros

O amor é plural. Independente do que cada um de nós pensa sobre o amor, uma coisa não se pode ignorar, ele sempre vem acompanhado de outros tantos sentimentos e sensações que, muitas vezes, fica difícil definir o seu verdadeiro significado. Talvez por isso, estejamos sempre relacionando esse sentimento a sujeitos diferentes. Amor de mãe, de irmão, de amigo… Assim, dependendo de quem se ama, conseguimos orbitar emoções diferentes e complementares, que conferem exclusividade para cada relação que criamos vida a fora.

As parcerias do amor variam de acordo com nosso momento, experiências, disponibilidade para possíveis desilusões e vontade de dividir espaços. Muitas são as variáveis dessa equação maluca que, normalmente, nos achamos capazes de resolver sempre que nos deparamos com ela, porém, à medida que o tempo passa, chegamos a centenas de resultados finais e que nunca batem com o nosso, ingênuo e idealizado, gabarito original.

Costumamos entender melhor essa questão quando pensamos nos grupos sociais ao nosso redor. A família, por exemplo, sempre será a maior referência de quando se trata de amor sólido e que, mesmo turbulento, é capaz de se perpetuar para sempre. Talvez isso seja possível por que, dentre todas as relações que teremos na vida, é a partir de nossos familiares que conhecemos o amor em forma bruta, plena e poderosa como uma força da natureza.

É na família onde temos mais tempo para lapidar o amor, permitindo que nossas emoções se aproximem dele, criando parcerias inesperadas que constroem, de forma muito particular e com vínculos muito fortes, as nossas relações familiares.

Muitos dizem que os amigos são a família que escolhemos. Concordo. Amizade também é uma construção, mas neste caso, o amor não é o primeiro elemento a chegar. Os parceiros como confiança e empatia, estabelecem um terreno seguro para a chegada do amor que, uma vez estabelecido, nunca abandona o seu posto.

A maioria de nós tem aquele amigo querido que, por circunstâncias alheias a nossa vontade, não conseguimos desfrutar de sua companhia frequentemente. Entretanto, independente desse lapso temporal, ao encontrar-los, sentimos uma torrente de felicidade que chega para anunciar que o amor continua lá, indiferente a passagem do tempo.

Então, isso significa que amaremos todos aqueles que encontrarmos pela frente? De forma alguma. O amor também se cerca de emoções que dificultam sua chegada, por vezes de forma permanente. Dificilmente amaremos alguém se os parceiros antipatia e rejeição forem os responsáveis pelos primeiros contatos. Isso ajuda a criar um controle de qualidade que filtra, naturalmente, os tipos de relacionamentos que teremos do início ao fim da vida. Ainda bem!

Se as relações são forjadas a partir da interação entre o amor e seus parceiros, por que será que temos tanta dificuldade em compreender isso, quando se trata de outras maneiras de amar? Pode facilitar o entendimento, se compararmos com a forma como construímos outros tipos de relações.

Quando conhecemos alguém, sentimos um misto de emoções que podem, ou não, conduzir a uma grande história de amor. Mas nesse caso em particular, diferente do caminho que usamos para construir outras relações, o amor e todas as outras emoções se misturam em altas doses, de forma aleatória e imprevisível. O resultado disso pode, muitas vezes, determinar os rumos dessa história. Leve, divertida, intensa, possessiva, indiferente ou carregada de cobranças. No momento em que as relações criam-se rapidamente e as emoções se fundem ao acaso, é dificílimo perceber quando amamos de fato, quando não temos tanta certeza disso, ou ainda, quando sabemos que o amor se foi, mas as demais emoções juntas, criaram laços quase indissolúveis.

De modo geral, acreditamos que só o amor nos traz a plenitude. Amar sem parceiros é apenas um conceito. Amar traz consigo o sorrir, dançar, chorar, sofrer, doar, comprometer e uma infinidade de sensações que, em conjunto, o tornam sublime. Por isso, se deixarmos seus parceiros de lado, o amor uma vez sentido, pode se transformar em amor ressentido e deixar, para sempre, de fazer sentido.