Era uma vez…

            Era uma vez… um grupo com os super-heróis mais poderosos do planeta que, mesmo em meio a tantas batalhas, cheias de dor e sangue, sempre guardaram espaço para o amor. Afinal, os grandes heróis sempre amaram as pessoas comuns. Porém, sem que os seres mais importantes da Terra percebessem, a pior das maldades crescia bem debaixo de seus olhos.

            Os nossos heróis tentavam seguir vidas comuns quando estavam fora dos holofotes. Misturavam-se com os humanos normais e tentavam imitar suas virtudes e defeitos, pois achavam que isto aumentaria a sua vontade de lutar e cuidar das pessoas. E, assim, mantinham-se protegidos sob disfarces e identidades secretas que, além do anonimato, lhes conferiam o prazer de ser comum. Mas eles não faziam ideia que estavam prestes a enfrentar o pior de todos os males. E não estamos falando de supervilões.

            À medida que o tempo foi passando, os heróis sentiram que o mundo havia mudado e eles, também. Os vilões não apareciam como antes. As pessoas estavam cada vez mais diversas e em maior número, lutando para expressar suas próprias vontades em um universo de pequenas batalhas. Foi então que nossos defensores, sempre amados por todos e bajulados pelos governantes, resolveram que era o momento de viver como os comuns.

            Foi aí, que dois jovens e poderosos heróis, que já haviam arriscado suas vidas inúmeras vezes para salvar a todos nós, decidiram que era hora de dividir o seu amor com todos aqueles que sempre os admiraram. Um deles era tão forte que poderia arrastar a lua com suas próprias mão. O outro, era um mago tão poderoso que poderia mudar qualquer realidade. Eram admirados por todos, até o dia em que resolveram expressar o maior de seus poderes em público: a capacidade de amar. Foi, a partir daí, que os verdadeiros vilões arrancaram suas máscaras.

            As pessoas comuns eram lideradas por criaturas estranhas, que prometiam protegê-las, assim como os super-heróis, mas estavam longe disso. Seu grande poder era a capacidade de ludibriar e mentir. Um belo dia, esses governantes cínicos, que tanto bajulavam os heróis, perceberam que estes estavam muito próximos dos comuns e resolveram tomar o seu lugar como salvadores. E, quando ninguém esperava, voltaram-se contra os superpoderosos, na tentativa de tornarem-se os grandes heróis do povo.

            E como conseguiram isso? Tentando criminalizar o que jamais deveria ser passível de culpa. Os sórdidos governantes, diante do amor de nossos jovens heróis, decidiram transforma-los em uma grande ameaça, especialmente para as crianças. Usaram o seu amor como arma para incitar o ódio. Usaram o amor para propagar a intolerância. Usaram o amor para destruir sonhos. Pobres homens… Pensaram que trariam vergonha para os nossos heróis, mas o seu tiro não teve o efeito esperado. Não perceberam que não se pode brincar com a mais poderosa das armas: o amor.

            Os governantes medíocres sofreram a maior de suas derrotas. Seu golpe de nada serviu e mostrou a todos os comuns que eles não passam de vilões de meia tigela. E os nossos heróis? Estes seguiram juntos, apoiados por um exército de amor formado por seres comuns que não voavam e nem lançavam raios, mas que portavam o mais incrível dos superpoderes: a infinita capacidade de amar.

Fim.