Frases de efeito

Outro dia desses me peguei em uma discussão acalorada sobre o poder das frases de efeito que já fazem parte do nosso cotidiano. E o papo fluía bem até que alguém disse que vivia cada dia como se fosse o último… Essa máxima até pode fazer algum sentido, afinal, ninguém sabe o próprio tempo de validade nesta terra, mas, parece um tanto enlouquecedor viver numa contagem regressiva imaginária. Quem, afinal, gostaria de viver sabendo que, ao fim do dia, deixaria de existir?

É claro que o criador desta frase, provavelmente, não pensou em deixar de viver e, sim, em como aproveitar ao máximo as nossas vidas. Até aí tudo bem, mas, como somos bons seguidores de frases de impacto, resolvemos levar as sugestões ao pé da letra. Viver como se não houvesse amanhã tornou-se um ideal de bem-viver para muitas pessoas, que se jogam em dezenas de atividades simultâneas que as conectam com o mundo que acreditam ser sensacional, mesmo sem saber muito bem o porquê.

Não há mal algum querer aproveitar ao máximo, tudo o que a vida tem para nos oferecer, mas, somos todos diferentes, logo, nossas visões sobre os prazeres da vida também são. E é aí que os conflitos começam. Viver como se o mundo fosse acabar amanhã, estabelece uma pressão coletiva que diz que todos, independente de seu temperamento, devem adotar o estilo vida loca de ser. O que pode até funcionar por um tempo, mas não por muito tempo. Ainda bem.

E, para colocar mais lenha nessa fogueira, o “viva a vida como se fosse seu último dia”, sempre vem acompanhado de um “seja feliz acima de tudo” ou de “seja a melhor versão de você mesmo” ou de qualquer outra variação desse mesmo tema. Repetindo, não há mal nenhum em querer ser parceiro da felicidade, mas, acreditar que esse é a única saída para uma vida plena, é um engano sem tamanho. Esse movimento que nos vende a ideia de uma existência onde só a felicidade conta, pode ser um grande tiro no pé…

Talvez isso explique, em parte, a explosão de felicidade que lota as nossas redes sociais, terreno fértil para sermos, exatamente, o que esperam de nós. A realidade virtual é inflexível e só permite a entrada dos exageradamente felizes, lindos e confiantes. O mundo real que dê conta daqueles que não preencherem os requisitos para entrar no clubinho da felicidade desmedida. E, por conta disso, nossas relações estão contaminadas por uma tristeza camuflada de euforia e por inconsequências maquiadas de autoestima.

Nunca foi tão urgente entender que os momentos difíceis são a medida para a felicidade. É impossível ser alegre sem ter experimentado o seu oposto. É impossível ser autoconfiante sem ter bebido na fonte da insegurança. Portanto, viver esperando que exista um dia seguinte, nos dá a chance de aprender a viver de fato, porque, no fim das contas, por mais que neguem, todos esperam a chegada de um novo amanhã.