Somos capazes de mudar o futuro?

            Em muitos artigos escritos, percebemos análises que dão conta de muitas mazelas e dificuldades vividas por cada um de nós. E, em um ano tão atípico, surpreendente e definitivo, não faltaram tentativas para tentar explicar o horror tão inesperado. Vivemos tragédias em tempo real que chegaram subitamente e parecem não ter data de partida. Mas, será que todas elas foram inevitáveis? Será que poderíamos ter feito algo diferente? Até que ponto somos capazes de mudar o futuro?

            Quem dera tivéssemos uma máquina do tempo que nos transportasse para pontos específicos da nossa trajetória. Certamente a vida seria outra, afinal, teríamos em nossas mãos o poder para mudar tudo aquilo que não nos fez bem. Alterando o presente para que o futuro se enquadrasse em nossas expectativas. Seria um plano infalível, não fosse a ação do inesperado. O que isso significa? Que a cada mudança de curso, afetaríamos não só as nossas vidas, mas todas as outras no nosso entorno… e vice-versa.

            Essa percepção sobre o tempo, nos leva a pensar que somos, de muitas formas, senhores do nosso tempo e que as decisões que tomamos não são individuais e estéreis. Tudo o que fazemos se reflete. Tudo. Decidir qual caminho tomar, qual livro ler, o que comer, que profissão escolher, em quem votar… Escolhas implicam em perdas e, para além disso, escolhas provocam reflexos. É como se, a cada decisão nossa, um feixe de luz fosse produzido, iluminando outras pessoas, que seriam como espelhos gerando múltiplos reflexos de intensidades diferentes e em incontáveis direções.

            Vivemos em uma eterna contradança, onde cada passo dado, recebe um movimento que o complementa. Pensando dessa forma, torna-se mais fácil entender que o futuro não é tão imprevisível quanto pensamos. O nosso presente nada mais é do que um compilado de escolhas feitas ao longo da vida e temperadas com pitadas de acaso. E esse acaso nasce do choque entre as nossas decisões e as escolhas de todas as outras pessoas.

             Lidar com essa dança as cegas é desafiador. Não saber os passos do outro, cria um estado de alerta constante que nos obriga a viver pensando sempre em múltiplas possibilidades de escolha. Ora acertamos, ora erramos. E isso nos ajuda a criar padrões de comportamento que servem de leme para as decisões que tomaremos ao longo da vida. Então, para todas as vezes em que a pergunta “somos capazes de mudar o futuro?”, povoar os nossos pensamentos, a resposta é simples: Sempre!

            Decisões individuais têm impacto coletivo, mesmo quando achamos que só dizem respeito a nós. Portanto, escolhas são chaves para o futuro que estão ao alcance das nossas mãos. Use-as com respeito e sabedoria.

3 comentários em “Somos capazes de mudar o futuro?”

  1. Sabedoria pura! Muito importante ter noção do alcance coletivo de nossa “liberdade de escolha”. Texto ótimo, como sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *