Por que eu continuo sozinho?

Ser jovem, lindo e estar pronto para tudo. Estes são desejos mais que cobiçados por uma legião de pessoas ao redor do mundo. Todos ávidos por novidades de todas as formas e jeitos. Queremos conhecer pessoas, ficar, amar, desistir e começar tudo de novo, estabelecendo um looping interminável e viciante que atende aos nossos anseios imediatos, mas que, a longo prazo, também é capaz de nos confundir. E muito.

Não é novidade que o ritmo alucinante que a vida imprime ao nosso cotidiano acaba, muitas vezes, encobrindo detalhes impossíveis de serem vistos se estivermos com pressa. Isso se aplica para toda e qualquer coisa, especialmente quando se trata de amor. A todo tempo queremos ou conhecemos alguém que quer alguém. Mas com tanta gente no mundo, por que essa tarefa é tão difícil?

Podemos culpar o outro por não ser capaz de preencher a nossa detalhada lista de pré-requisitos e, na verdade, fazemos isso com frequência. Assim, criamos uma desculpa aqui e outra ali, para continuarmos dizendo que a busca por um amor não está fácil para ninguém. Dessa forma, seguimos em frente e em velocidade máxima, olhando para os lados vez ou outra, buscando perfis aleatórios que podem, quem sabe, se candidatar ao posto de grande amor das nossas vidas. Enquanto isso…

Mesmo sendo complicado, a maioria de nós já perseguiu o modelo de amor idealizado e, certamente, quebrou a cara. O que é ótimo pois, se não te fez entender que o ideal só existe em romances, com certeza serviu para criar uma memória sobre o que não fazer no próximo relacionamento. Por vezes, na ânsia de encontrar alguém para chamar de seu, deixamos aquela lista surreal de lado e só focamos no que vemos superficialmente. Se gostarmos, muito bem, vamos ver onde vai dar. Só que, com isso, não percebemos todos os sinais de alerta que indicavam: Pare! Não siga em frente! Pegue a próxima saída… Bom, o resultado disso já sabemos bem qual é.

A grande questão é que não estamos falando apenas sobre como as oportunidades, ou a falta delas, podem passar discretamente por nós. O que não nos damos conta, é que o tempo também passa por cima de nós, como um rolo compressor implacável e, com ele, não podemos brincar de roda gigante. Isso cria um estilo de vida, no mínimo, intrigante. Juntamos na mesma equação a nossa urgência pelo quero e quero agora, com o tempo que corre a passos muito largos e isso cria um desafio monumental para todos nós. Talvez seja essa a grande cilada. Sentir-se livre para todas as experiências possíveis, mas esquecendo que a realização de todas elas, é apenas, uma ilusão.

Em algum momento, você irá se perguntar o porquê de estar sozinho e milhares de respostas irão surgir. Estar, de alguma forma, ligado a um amor antigo, ter algum receio de novas experiências ou simplesmente não querer compromisso, uma vez que seu bem mais precioso é a liberdade de escolher onde, quando e com quem estar. Independente do motivo, estar sozinho não significa estar abandonado. Longe disso. É possível que se tenha muito a aprender sobre essa nova forma de viver e, não é por acaso, que frequentemente nos sentimos num limbo onde, a obrigação de ter alguém é tão forte quanto o desejo pela liberdade de estar só.

Contradições à parte, o que todos nós queremos é estar bem e compartilhar explosões de felicidade. Dito dessa forma parece simples, o problema é escolher quais são os caminhos que nos conduzem até lá. Nesse meio tempo, vamos experimentando diversos estilos, que variam entre estar a sós, pessimamente acompanhados, bem acompanhados e solitários e, até mesmo, estarmos muito bem acompanhados e felizes. Definitivamente não há formula certa, por isso, se até agora você não conseguiu responder por que continua sozinho, tudo bem. Vamos seguir tentando, afinal, ninguém disse que seria fácil.

13 pensamentos em “Por que eu continuo sozinho?”

  1. Inspirador. Parabéns por conseguir colocar em palavras pensamentos e sentimentos tão complexos. Belíssimo texto

  2. Adorei esse texto, Marco.
    Vc lê Pedro Chagas Freitas?? Me lembrei muito dele…Prometo falhar e Prometo perder estão aí no seu domingueiro.
    Querer o frio na barriga é saudável e é o que nos impulsiona a seguir mesmo depois de uma decepção. E vamos que vamos, porque ser feliz é uma estrada!!! Bjs

  3. Você me fazendo pensar na vida e no “por que?”! rs…
    Primeiramente, adoro a minha companhia e a liberdade que a mesma me proporciona.
    Em seguida, já vivi a sofrida “solidão a dois” e sei exatamente o que não quero mais na vida.
    E, para finalizar, as pessoas têm muitos problemas. E problemas já bastam os meus. Eu quero ser, estar e me sentir feliz! Se for para ser feliz comigo, estou de braços abertos. Mas, se for para ficar de “mi, mi, mi”, tô fora! rsrsrs… Bjoka saudosa Marquito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *