Nó na garganta

            Nó na garganta. Essa é a sensação mais incômoda e mais constante dos últimos tempos. Há tantas desgraças acontecendo em tempo irreal, que nos transforma em expectadores de um espetáculo maluco, onde somos elenco e plateia, mesmo que essa não seja a nossa vontade. Vivemos como se estivéssemos envolvidos por um círculo de cordas esticadas capazes de nos puxar com violência, que torna impossível manter-se de pé. Sentimos as cordas, mas não enxergamos a mão que as controla.

            Em um dia, prédios desabam. Noutro, catedrais ardem em chamas. E, quase ao mesmo tempo, furacões varrem populações pobres do mapa. Morremos como formigas, sofremos como gigantes, choramos como crianças. Nunca foi tão difícil compreender o que, de fato, está acontecendo a nossa volta. Bem e mal. Certo e errado. Sim e não. Conceitos que sempre foram tão sólidos, hoje não passam de borrões derretidos e sem definição.

            A sensação, quase real, de que estamos correndo a esmo, a espera de alguém de que nos diga o que fazer, varia entre o pânico anestesiado e a indignação eufórica. Mas, mais uma vez não sabemos como agir diante desses antagonismos que resolveram formar pares incomuns e conflitantes. A alteração dos padrões que sempre nortearam a vida muitos de nós, provoca uma desesperança tão densa que quase podemos tocá-la. É claro que, em muitos momentos, já confrontamos situações difíceis, mas, nunca como agora.

            O mundo está ao contrário, e todo mundo reparou. O que aumenta, ainda mais, essa certeza, são as diferentes formas de reação da massa diante desse circo dos horrores cotidiano. Emoções potencializadas permitem que pequenas discordâncias, transformem-se em diferenças irreconciliáveis, amizades se desmancham como castelos de areia e o diálogo é nocauteado pela intolerância. E, em meio a esse tiroteio social, não sabemos se corremos, se buscamos um abrigo ou se nos posicionamos no front de batalha.

            Essa balbúrdia generalizada tem provocado efeitos colaterais, capazes de provocar um tumor moral nada fácil de tratar, mas, muito fácil de diagnosticar. Qual é o seu principal sintoma? Ódio em estado bruto. Sem retoques e sem pudores. Ódio que provoca uma irracionalidade, que impede a todos de ponderar, ouvir e refletir. É como se, depois de muito tempo sob controle, em masmorras muito bem guardadas, essa raiva tenha descoberto frestas por onde fugir. Criando disfarces elaborados para, aos poucos, tomar conta daqueles que, durante muito tempo, desejaram expressar seus piores reflexos, mas não sabiam como. Até agora.

            Esse ódio chegou a todos os lugares, dominou lideranças, que transformaram-se em exemplos a seguir. Ícones arrebanham seguidores inebriados pela possibilidade de explodir suas intolerâncias, sem constrangimentos. Ver esse panorama em palavras traz dor e desassossego, sem dúvidas. Se o nó na garganta foi meu companheiro ao longo desta escrita, ele também possibilitou o renascimento do desejo por um basta e me fez entender que só conseguiremos nos livrar das amarras do ódio, quando restaurarmos o poder do amor.

Um comentário em “Nó na garganta”

  1. Eu li um texto da maravilhosa Eliane Brum, na semana passada ou retrasada, que me chamou atenção pra isso. Tem uma galera ardendo em ódio. Já tem um tempo, mas só se potencializa. A galera contrária, infelizmente, está caindo no mesmo erro. Usando as mesmas armas e tudo o que repudiamos no lado que arde em ódio. Estamos fazendo igual, caindo nesse jogo, e perdendo completamente a razão. Eu me vi fazendo isso, e achei ótimo ter lido o texto da Eliane, que me deu uma sacudida. Tenho tentado observar pra não repetir esse comportamento. Tenho tentado lembrar e internalizar aquela oração de São Francisco. Aquilo é lindo! E seria tão transformador se todos honestamente tivessem a intenção daquela oração. Não precisar acreditar em deuses ou santos. O que se deseja ali é bem humano mesmo!
    Enfim, em meio a esse caos, a gente vê gestos que nos dão esperança e vontade de seguir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *