Não espere tanto de mim

Desde muito, muito cedo, seguimos planos que alguém traçou para nós. E esse alguém, por sua vez, também segue uma cartilha que é compartilhada por muitos outros que vieram antes dele. Isso significa que, mesmo sem perceber, mantemos um padrão pré-determinado que, de acordo com a época, pode ser chamado de tendência, modinha ou estilo de vida. Não importa. O fato é que nossas atitudes, geralmente, seguem um roteiro prévio e socialmente estabelecido.

Muitos poderão pensar, “comigo, não!”, certos de que fazem parte de uma minoria capaz de romper com um sistema e tocar suas vidas segundo suas próprias convicções… Será possível?

De um jeito ou de outro, todas as vezes que desempenharmos papéis que já foram encenados por outros atores, estaremos eternamente sujeitos a comparações e, acima de tudo, seremos alvos certeiros da expectativa alheia. E isso pode ser bem chato.

Alguns exemplos são clássicos. Se estamos na escola, esperam que sejamos os melhores e que passemos de ano com louvor. Na faculdade, precisamos escolher as melhores profissões, o que na verdade é sinônimo de “escolha uma coisa que te faça ganhar dinheiro”. Se é um solteiro convicto, será motivo de piadas. Se passou dos trinta e não tem filhos, certamente tem problemas. Se troca de amores com frequência é… bem, é alguém que não é sério. Se muda de profissão, é instável e, se não se enquadra em nenhum padrão, é um caso perdido.

O peso dessas cobranças varia de acordo com a resistência de quem as suporta, mas é inegável que, em muitos momentos, o olhar do outro sobre quem somos e sobre o que fazemos pode ser massacrante. O lado curioso dessa situação é que só nos damos conta dessa patrulha quando nós somos o alvo mas, convenientemente, nos esquecemos que, por várias vezes, pode ser nosso, o dedo que aponta e faz cobranças.

Mas por que se ocupar tanto com a vida alheia, cobrando posturas e fazendo projeções sobre coisas com as quais não temos nada a ver? Difícil responder porque simplesmente não existe uma razão sensata para isso. Talvez isto se deva ao conjunto formado pela admiração, frustação e inveja que sentimos pelo outro, aliado a um bocado de tempo sobrando.

Acima de tudo, gastamos tempo e energia esperando que os outros se comportem com base em nossos delírios e, assim, deixamos de prestar atenção ao que é realmente importante. Nossa própria vida. Nossos anseios. Nossas conquistas.

O que pode, com frequência, gerar um descontentamento que é só nosso, uma vez que idealizamos coisas, pessoas e comportamentos que são reais apenas em nossas cabeças. Isso, via de regra, cria uma certa confusão, pois cobramos de alguém, algo do qual ela não faz a menor ideia. Dessa forma, criamos linhas que dificilmente se encontram onde, de um lado temos a expectativa e do outro, a realidade.

De todo modo, é preciso ficar atento aos detalhes. As experiências de vida criam filtros que aumentam a nitidez do nosso olhar sobre o outro. Isso quer dizer que, quanto maior for a nossa percepção da realidade, menor será a ansiedade provocada por uma expectativa sem fundamentos. Isso pode nos poupar tempo e sofrimento e, o melhor de tudo, nos autoriza a dizer, para nós e para quem quer que seja, que, por favor, não espere tanto de mim.

8 pensamentos em “Não espere tanto de mim”

  1. Espetacular como sempre! É muito gostoso ler esses textos tão verdadeiros semanalmente. É impossível não se identificar em cada um deles. A cada linha descrita, um aprendizado, uma paz e um “sabor” de quero mais! Meu ídolo!

    1. Ahhh, que delícia ler isso! Me deixa mais confiante e confortável pra continuar dividindo minhas ideias todos os domingos! Bjo!!

  2. Esse texto, hoje, me representa.
    Vontade muitas vezes de dizer… Por que espera coisas de mim ou dá minha vida? Se a vida é minha é minha e ponto final.
    Vou dormir ressitando essa frase: “não espere tanto de mim”…
    E…
    Espere de vc e da sua vida”

  3. O que eu mais gosto nesse blog chamado “aqui pensando” é que me faz refletir sobre coisas que eu passo sem prestar tanta atenção. Faz bem revisitar algo que parece banal, automático e pensar um pouco sobre.
    Obrigada pelo texto, tio prof!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *