Muito além das nossas medidas

Às vezes tenho vontade de fazer mil coisas mas, no instante seguinte, desisto… Quem nunca pensou ou agiu dessa forma? Alguns mais, outros menos, mas todos nós desejamos sair do lugar onde estamos para conhecer e usufruir de tudo aquilo que o mundo pode nos oferecer. Afinal, não importa o tamanho do sonho, uma vez que a nossa imaginação sem limites nos leva, sem muito esforço, aonde quer que seja.

Mas, se a vontade existe, por que é tão difícil transformá-la em ação? Acho que esta é a maior encruzilhada na vida de todos nós. É obvio que, efetivamente, não se consegue tudo aquilo que é desejado, porém, tentar alcançar pode, na imensa maioria das vezes, nos conduzir a lugares inesperados e cheios de boas surpresas. É aí onde percebemos que tentar chegar a algum lugar, por si só, já começa a valer a pena.

Dito desta forma, até parece fácil. Basta desejar para acontecer. Quem dera fosse simples assim. Mas, de todo modo, conquistas não caem no colo de ninguém. Conquistar requer investimentos pessoais bastante altos e, além disso, as incertezas de todos os tipos são companheiras constantes, para todos aqueles que anseiam por mudanças, sempre. O que é justo, uma vez que ninguém é absolutamente infalível a ponto de não duvidar das próprias capacidades, afinal, só conhecemos nossos limites porque fomos postos à prova em algum momento.

O fator mais limitante para que vontades se transformem em realidade, vem de uma dificuldade em acreditar que somos capazes de realizá-las. Talvez porque, ao longo do tempo, tenhamos aprendido ou forçados a aprender que alguns lugares são inacessíveis, que não seremos capazes de seguir por este ou aquele caminho e, ainda, que quanto mais alto sonharmos, maior será a queda… Quanta bobagem.

Nossa imaginação, nos provoca o tempo todo, criando realidades fantásticas onde todo mundo pode vestir a pele que quiser, para ser quem se deseja ser. O que é maravilhoso, pois são esses momentos nos permitem percebem a nossa real dimensão. Somos muito maiores que as nossas presunçosas medidas e podemos ir muito além dos planos que foram traçados por nós ou para nós. Mas, é preciso ter em mente que essa é uma das tarefas mais prazerosamente difíceis da vida.

A jornada entre o desejo e a realização é cansativa e cheia de ciladas prontas para dar o bote. Caímos em quase todas sempre que nos deparamos com elas a primeira vez. Algumas vezes caímos de novo e mais uma vez nas mesmas armadilhas, que teimam em cruzar nossos caminhos. Mas, tudo bem… Cair e levantar fazem parte do processo.

A grande questão é perceber os obstáculos e tentar conhecer a sua origem. Muitos entraves são fornecidos pela vida mas, outros tantos, são perversamente criados, talvez inconscientemente, por nós mesmos. O que nos leva, em muitos momentos, a desistir, mesmo antes de tentar alcançar uma meta, um sonho ou um desejo. Assim como as incertezas, o auto-boicote pode ser um par frequente e incômodo, que escancara os nossos medos, fraquezas e covardias. Fugir desse monstro que nos acompanha é, quase sempre, uma grande perda de tempo. Precisamos domar nossos medos, impedir que ele nos paralise e seguir em frente, para muito além das nossas medidas.

6 pensamentos em “Muito além das nossas medidas”

  1. Bom, hein?
    Desafiador: Vamos sair das nossas zonas de conforto e extrapolar medidas pré estabelecidas?
    Abraço. Adorei, como sempre.

  2. Acredito que o grande “problema” humano é: Desejar chegar lá no tão sonhado lugar, seja ele qual for ou em que dimensão da vida for, mas não deseja o processo, o custo, o investimentos e a privação que o caminho apresenta até a realização em si.
    Desejar o resultado é mole. P diferencial é desejar o processo até o resultado.

  3. Cara, esse texto foi o mais difícil. Li, reli. Me achei, me perdi… Quis dizer mil coisas e só agora consegui organizar meu pensamento para tal. Então senta e pega um café kkkkkk…
    Você já leu sobre física quântica e o uso disso na vida? Porque, percebo que existe muita semelhança entre a sua forma de pensar e essa “filosofia de vida”. A diferença, aqui, é que você ainda coloca os desejos e vontades como questões difíceis e com probabilidades de dar certo ou errado (sendo que você mesmo se contradiz quando diz que é bobagem). O que ocorre é: tudo sempre dá certo. Estejamos conscientes disso ou não. O auto-boicote talvez seja a maior prova disso (a insegurança, o medo, o acreditar não ser capaz, tudo produzindo o fracasso do que se deseja de fato). E o problema hoje é que as pessoas não sabem disso e as projeções mentais de muitos são desajustadas. E continua tudo dando muito certo. Ué, mas até coisas “ruins”? Sim! Não existe discernimento nessa dinâmica. Apenas projeção mental e realização do que se projeta. Se alguém projeta a dificuldade, será “feita a vossa vontade”. Tanto para o positivo quanto para o negativo. É sempre a mesma lógica.
    Digo isso com certa propriedade pois vejo acontecer a todo instante na minha vida. E o trabalho mental que tenho feito é justamente o de me equilibrar e conseguir direcionar e elaborar melhor as minhas projeções pra produzir realizações satisfatórias. Maluquice? Pode ser, mas tem funcionado.
    Concordo quando você menciona as diversas ciladas da vida, inclusive as produzidas por nós mesmos. É realmente difícil sair do padrão imposto pra gente desde de muito cedo e quebrar paradigmas sociais e pessoais. Mas vale a pena. Ainda estou em treinamento, engatinhando… Alguns mecanismos já estão se tornando automáticos e intuitivos… Então acredito estar evoluindo nesse processo. Talvez mesmo sem saber, você também esteja nesse caminho.
    Obrigada por me mostrar que não sou tão louca assim. Desculpe por não conseguir ser sucinta. kkkkkkk

    1. Excelente esse brainstorming, Tati! Fico feliz demais em saber que essa leitura provoca tantas questões interessantes! Muito obrigado!

  4. Adorei o comentário da Tati Regina. Bem parecido com o que eu ia comentar, mas mil vezes melhor. Recentemente eu me dei conta de como temos crenças limitadoras nas nossas vidas. Tanto e o tempo todo. É difícil até enxergar todas elas. Então o que eu venho fazendo é: a cada momento que me percebo dando corda pra uma crença limitadora, eu analiso ela. Em muitos casos, eu a desconstruo e faço ali uma crença possibilitadora. Isso muda TANTO tudo…
    Adorei parar pra pensar um pouquinho sobre isso de novo 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *