Caixas de Passado

Apego. Essa palavra por si só já nos remete a mil possibilidades. Coisas e pessoas que amamos e queremos por perto, simplesmente porque são nossas e pronto.

Aquele sapato de 20 anos atrás, o casaquinho amarelo que seu filho usou na saída da maternidade ou o carrinho de madeira da infância… Todos são partes de épocas felizes ou marcantes das nossas vidas. Às vezes expomos esses objetos em lugares de destaque, mas na maior parte do tempo, os deixamos guardados em caixas empoeiradas do fundo de um armário.

Mas, se muitos desses objetos ficam fora do nosso campo de visão, para que tê-los? Vai saber… Mas tenho um palpite.

Arrumar estantes, gavetas e armários, de vez em quando, é a certeza de encontrar bugigangas de todos os tipos e de todas as épocas. Mas também é a possibilidade de um encontro com nosso passado.

Achar um caderno dos tempos de escola, ver sua caligrafia infantil, relembrar nomes de pessoas, ler seus textos antigos e recordar o momento exato em que foram escritos e qual era a trilha sonora que serviu de inspiração… Tudo isso permite jogar cores em memórias que o tempo tratou de apagar.

Num primeiro momento talvez pareça saudosismo bobo, mas remexer em gavetas e papéis velhos pode nos proporcionar experiências únicas. Uma incrível viagem no tempo, onde o passado curioso, diz um “oi” ao presente e pergunta “E aí? Deu tudo certo?”

À medida que o tempo passa, começamos a ver o passado sob um olhar romântico. Perdemos um pouco a percepção do real. O que foi bom, ok e o que foi ruim nem foi tão ruim assim, afinal, chegamos até aqui para contar, não é? Por muitas vezes lembramos de uma cena, de um lugar, de uma pessoa… Mas tudo é estático, como em uma foto. É como se o passado ficasse emoldurado em nossa memória. Somos capazes de lembrar um dia feliz na praia com nossos pais e irmãos em imagens que se organizam em uma grande história em quadrinhos onde você é o narrador e personagem. Quanto mais o tempo passa, menos fiel essa lembrança será.

É possível que nossas tranqueiras empoeiradas estejam guardadas de propósito. Como se quiséssemos, mesmo sem perceber, criar um portal que permitisse o reencontro da nossa versão atual com fragmentos físicos do nosso passado.

Sentir o cheiro de um perfume antigo impregnado numa roupa. Reler uma carta de amor escrita aos 15 anos. Ver aquele livro de dietas milagrosas que nunca deram certo ou aquela bola de futebol furada ainda suja de lama. Tudo isso reaviva a memória e traz, principalmente, uma série de sensações que vão muito além das imagens em quadrinhos. Encontrar com as frações de nosso passado é, sem dúvidas, reviver momentos em 3D, com volume, cheiros e texturas.

Algumas pessoas conseguem essa conexão guardando coisas que cabem numa caixa de sapatos, outras, precisam de galpões.

Quem é capaz de dizer do que precisa para lembrar do que passou? Não me arrisco! Tudo o que guardamos nos remete, de fato, a momentos únicos? Certamente não. Muitas vezes, se desfazer das nossas memórias físicas não significa renegar o passado e, sim, entender que aquela parte da história não tem mais tanta importância. É o presente dizendo ao passado que nem tudo pode permanecer guardado e que apagar memórias nos permite abrir caminhos para a chegada do futuro.

De toda forma, nossos guardados ajudam a promover os raros encontros entre o nosso passado, presente e futuro. E, em uma tarde qualquer você pode decidir usar sua máquina do tempo para dar um pulinho no passado, visitar sua versão mais jovem e, finalmente responder se deu tudo certo. Talvez não haja resposta possível. Talvez seja razoável dizer apenas que não tinha como saber mas que, voltar ao passado e resgatar um pouco daquele olhar curioso e cheio de esperança, é muito melhor do que saber como seria o futuro…

E se um dia alguém disser que guardamos coisas demais, que somos apegados demais ou de menos, tudo bem. Sempre teremos o direito de encher e visitar quando quisermos, as nossas caixas com pedaços de passado.

40 pensamentos em “Caixas de Passado”

  1. Adorei! E enqto lia sobre os guardados do passado, me reportem ao meu. E algumas rápidas lembranças me sinalizaram que está na hora de esvaziar a caixa. Grande bju, sucesso e obrigada!

  2. Guardo nada. Jogo tudo fora. Posso me arrepender no futuro, mas acho que a vida tem mais relação com o esquecimento do que com a lembrança. Enfim, guarde você o casaquinho amarelo do nosso filho. Te amo!

  3. Amei!! Já estou ansiosa para o próximo texto.
    As vezes é bom visitar a caixa e relembrar algumas coisas e jogar algumas fora também…

  4. Eu chamo de “Caixinha da Felicidade” onde guardo lembranças de momentos felizes que me animam nos momentos não tão felizes

  5. Incrível! Estou me mudando e é muito bom de ouvir. Eu guardo muito. Tenho avaliação de comportamento do meu jardim de infância comigo.
    Ansiosa para os próximos!
    Beijo

    1. Gostei!! Realmente algumas são grandes e difíceis para guardar, procuro sempre otimizar, e as fotos são uma boa recordação… algumas peças, como o casaquinho amarelo, jogo fora não, tenho a esperança que um neto meu venha a usar, sentimento gratificante que vejo nos avós, hoje não alcanso a dimensão desse, pq ainda não sou…

  6. Parabéns Marcos, o seu texto flui com leveza e prende a nossa atenção. Gostei muito. E por falar em caixas do passado, de vez em quando eu visito as minhas. Temos coisas boas para (re)viver…

  7. Gostei do final do penúltimo parágrafo
    “Talvez seja razoável dizer apenas que não tinha como saber mas que, voltar ao passado e resgatar um pouco daquele olhar curioso e cheio de esperança, é muito melhor do que saber como seria o futuro…”
    Parabéns! Texto bem escrito e interessante!

  8. O texto, além de primoroso, é reflexivo. Me faz pensar que dentro desta caixa há um espelho que de um lado nos permite vermos como somos no presente e, do outro lado, nos vermos como fomos no passado.
    Presente e passado se olhando frente a frente, nos permitindo darmos as mãos e dizendo para nós mesmos: olá, sou eu, muito prazer!

    Obrigado por, através de seu texto, ter me proporcionado este encontro comigo mesmo.

    1. Lendo seu comentário me lembrei do garotinho lerdo e distraído que era levado pelo irmão mais velho todos os dias a escola. Ali se estabeleceu uma relação maior que a irmandade genética, se criou uma conexão pra sempre! Te amo, irmão!

  9. Amei o texto, me fez pensar o quanto acumulo coisas, sentimentos…
    Mas ultimamente tenho praticado o desapego, nada fácil, mas necessário.
    Abrindo espaços para o novo!

    Parabéns Amore, como sempre me enchendo de orgulho, que venha o próximo!!!

  10. Gostei do texto! Palavras simples e mensagem direta, objetiva. Flui como água que escorre das mãos. Continue nesse caminho, amigo Marco, nos presenteando com seus textos. Para sua estreia, mandou bem. 👍🏼

  11. Adoreeiii!!!! Que venham mtos textos e mtos sentimentos com esse novo projeto!!! O primeiro texto foi uma bela escolha! Bjão

  12. Amei!!!!
    Lindo texto…
    Me fez refletir sobre o passado.. será que eu estou como imaginava estar quando tinha 12 anos? 🤔
    Acho que não.. rs
    😘

  13. Nesse natal passado, colocamos um tapete no quintal, e revíramos uma caixa de fotografias. Foi um momento tão único e mágico eu, meus irmãos, sobrinhos e sobrinhas… Tantas memórias boas lembranças fotos, cartas, presentes…
    Hoje esse texto, me remeteu a tudo isso.

  14. Exatamente isso. Certos objetos, trazem as lembranças que eu eu chego até a sentie o cheiro da pessoa, do lugar, da vida que ficou no passado.
    Adorei tudo por aqui 😉

  15. Exatamente isso. Certos objetos, trazem as lembranças que eu euchego até a sentie o cheiro da pessoa, do lugar, da vida que ficou no passado.
    Adorei tudo por aqui 😉

  16. Meu exercício tem sido o inverso…o de visitar minhas caixas, chorar, lembrar, rir e depois jogar fora, o máximo que consigo…quase um ritual de desapego…de ler e ver recados, receitas, desenhos e “colocar” a essência daquilo no coração e jogar o “material”, o que representa simplesmente o “apego do ter” fora….Beijo e um abraço bem forte…bem apegado. 😉

  17. Parabéns pelo texto, esbarrei por acaso na sua página e no primeiro texto que li (esse texto ) ja virei fã da página.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *