Ar rarefeito

            Seria maravilhoso começar um texto falando sobre amenidades, amores e conquistas. Seria incrível poder compartilhar vitórias, felicidades e sucesso. Seria, se não fosse o peso de viver em tempos tão sombrios, onde dormimos e acordamos com a impressão de que não teremos energia para enfrentar os desafios mais simples. Vivemos em tempos de ar rarefeito, onde nos falta oxigênio para inflar nossos pulmões de vida e esperança para continuar seguindo em frente. Seguimos sem fôlego para correr, sem forças para lutar e sem voz para expressar as nossas dores.

            Nos privam do básico. Estamos doentes e ignorantes e, por isto, apáticos. Somos açoitados diariamente e levados a acreditar que devemos ser gratos pelas migalhas espalhadas ao vento. Essa dor é parte tão permanente de nosso cotidiano, que tornou-se indetectável. Incorporamos as desigualdades e transformamos o mal em algo banal. A maldade e os maldosos, cresceram pouco a pouco, sem chamar muita atenção, fizeram morada em áreas premeditadamente esquecidas, até que, enfim, tornaram-se parte da paisagem de forma indelével.

            O que é absolutamente conveniente, uma vez que poucas coisas são tão eficazes para controlar a massa, quanto o principal efeito colateral da maldade: o medo. Estamos todos amedrontados por motivos diversos. Tire das pessoas o seu ganha-pão, a sua saúde, a sua chance de ser instruída e substitua isso por uma incerteza esperançosa. Nada é tão eficaz quanto a dar a esperança por dias melhores, para aqueles que não possuem horizonte algum para vislumbrar. A fórmula é bem simples. Nos impedem de realizar nossos sonhos e, ao mesmo tempo, nos levam a crer que somos incompetentes demais para concretiza-los.

            Vivemos em ciclos. A humanidade segue o compasso do tempo, que sempre caminha para frente, em direção ao futuro e ao desconhecido. Mas, parece que, de tempos em tempos, resolvemos revisitar um passado, onde cometemos erros que, apesar de imperdoáveis, teimamos em esquecer. Mas há um lado bom nisso tudo. Constatar os ciclos é, também, ter a certeza de que voltaremos aos trilhos que nos levarão adiante, deixando para trás tantas dores, medos e, principalmente, os canalhas que nos provocam tanto sofrer.

       Crianças são barbaramente interrompidas. Jovens são monstruosamente violados. Famílias são injustamente destruídas. Florestas são perversamente queimadas. Tudo em nome de uma ordem que serve apenas para nos enganar, que serve apenas para nos manter sob controle. Mas, a história nos mostra que não há mal que dure para sempre, isso é um fato. Logo, é preciso acreditar que dias melhores estão a caminho. É hora de encher nossos peitos de ar e gritar a plenos pulmões que os implacáveis ventos da mudança não tardarão a chegar. O que significa dizer que, a maldade e seus maldosos covardes, apesar de não acreditarem, estão com seus dias contados.

Um comentário em “Ar rarefeito”

  1. “A fórmula é bem simples. Nos impedem de realizar nossos sonhos e, ao mesmo tempo, nos levam a crer que somos incompetentes demais para concretiza-los.”
    Adorei essa observação! Simples, precisa e cruel!
    Estamos doentes de Brasil 🙁

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *