Correspondências do amor – Parte II

Outro dia desses, falávamos sobre a nossa dificuldade em compreender que o amor é um sentimento caprichoso que, para existir, precisa apenas do nosso consentimento. Amar é uma capacidade que nasce conosco e cresce à medida em que o mundo se agiganta diante de nós. Ou não. De todo modo, o que estabelece a nossa capacidade de amar, é a forma como apresentamos esse sentimento aos que se aproximam de nós pela vida afora. E, vou além. Saber amar é, também, compreender que as correspondências do amor, não tem destinatários. Estão aí para serem lidas por quem desejar.

Para amar, basta querer. Sobre isso não há discordância, o problema nasce quando acreditamos que isso só é possível, no momento em que recebemos um sinal verde, de alguém que está na outra margem de um rio desconhecido. Ou seja, o amor que vive escondido em nós, a espera de um sinal luminoso que nos autoriza a compartilha-lo, sempre que o outro demonstrar alguma iniciativa… Reparem que essa é a regra que aprendemos, repetimos e ensinamos uns aos outros desde sempre, o que não significa que esteja correta. Enganos repetidos não transformam-se em certezas.

A vida segue e nós seguimos, aguardando pelo sinal verde do outro lado da linha. E, como crianças chegando em um parque de diversões, nos perdemos em meio a sinais com diferentes intensidades. O que acontece em seguida? Nos confundimos e escolhemos os sinais errados, claro. O que não é ruim, pois ajuda a criar uma palheta de cores de alerta, que pode fazer a diferença para quando a urgência nos dominar e nos fizer correr rápido demais e não perceber que, o sinal era, na verdade, para parar e não para seguir em frente…

E, nessa dúvida entre parar ou seguir, é que nos apegamos aos sinais errados e ignoramos que o saber amar vem de nós e não dos outros. Que amar é uma condição particular que decidimos dividir com alguém por escolha e não por desespero. Acreditar que a salvação está no amor do outro, nos obriga a entrar em formas fabricadas para outras medidas. Sei que é difícil perceber tudo isso, quando estamos engajados na busca pelo fantástico amor perfeito que não existe. Mas, não esquecer que o amar é algo que parte de nós para os outros, já evitaria um bocado de equívocos por aí.

O grande desafio de saber amar é que não há um caminho pavimentado previamente, que nos dê segurança para caminhar sem sobressaltos. E, todas as vezes em que vislumbramos o sinal que indica o amor da nossa vida, não importa quantas tenham sido as tentativas, seguiremos o mesmo padrão repleto de atitudes aleatórias, que irão nos conduzir por caminhos completamente diferentes daqueles que passamos muito tempo planejando. Falta de juízo, como dizem…  O amor é sobre isso também, não é?

Independente dos tropeços que essa corrida em busca do amor nos impõe, não se pode perder de vista que, como diz a música, o nosso amor a gente inventa. Deixar na mão de quem quer que seja, a escolha de como, quando e por quanto tempo iremos compartilhar a nossa capacidade de amar é, além de um erro, uma injustiça. Duvidar dos sinais talvez seja uma boa saída. Duvide das cores e aproveite cada uma delas. Algumas serão facilmente esquecidas, outras brilharão tão forte que irão provocar cegueira instantânea. Mas, no fim dessa montanha russa de cores e formas, seremos sim, capazes de perceber quando será o momento certo de dividir, para aumentar, a intensidade dos nossos luminosos sinais de amor.

Pequenas conquistas

Muitas coisas nesta vida são capazes de trazer alegria, êxtase e um brilho persistente nos olhos de quem consegue, por mais simples que seja, celebrar seus bons momentos. A celebração vai muito além do óbvio calendário comemorativo que o tempo nos permite montar. Comemorar as pequenas conquistas, ainda que não pareçam especiais, nos dá a chance de compreender a importância de cada uma das nossas vitórias em momentos diferentes da vida.

É difícil, muitas vezes, considerar a celebração do simples em uma perspectiva real e cotidiana, uma vez que vivemos em tempos onde sobram motivos para desesperanças e faltam razões para valorizar as pequenas vitórias. Em um cenário onde as dificuldades são regra, é preciso buscar exceções que transformem a indiferença que nos cerca, em sensibilidade.

Essa questão vai muito além do ser ou não ser otimista, enxergar ou não o mundo com filtros que distorcem a realidade. Ser bem agradecido é algo que aprendemos desde muito cedo mas que, infelizmente, vamos deixando de lado. Talvez a nossa capacidade de comemorar as pequenas conquistas seja, pouco a pouco, substituída pela necessidade de se chegar aos patamares mais altos e mais disputados por quase todo mundo. O que cria uma miopia tão severa, que nos impede de perceber com nitidez, as cores de todas as outras coisas incríveis que conquistamos, apenas por não estarem formatadas com a grandiosidade que esperamos.

O curioso por trás da capacidade em perceber e valorizar nossos êxitos mais discretos, é que só paramos para pensar sobre eles, quando acreditamos ter perdido uma chance de conquistar grandes vitórias. Talvez este seja o nosso erro. Conceder o prêmio de consolação ao que transforma nossas vidas diariamente, sem muito alarde. Gastamos tanta energia na busca por sucessos superlativos e esporádicos, que esquecemos que é a batalha diária, a fonte da maioria das nossas conquistas.

Estar atento aos detalhes que nos levam onde queremos chegar, cria um efeito colateral muito bem-vindo: a gratidão. A partir do momento em que percebemos que nosso sucesso é fruto de planos discretos, de metas traçadas todo os dias ao sair de casa e das pessoas que escolhemos para compartilhar nossos desejos, ser grato torna-se uma adorável consequência. Mas, se tudo é assim tão simples, por que a grande maioria de nós não consegue enxergar a importância das pequenas realizações na construção de quem somos de verdade? A resposta pode não ser fácil, mas não é impossível.

Celebração. Gratidão. Conquistas. Passamos grande parte da vida na busca por esta trindade, na esperança que só conseguiremos atingir a felicidade plena quando nos tornarmos, enfim, capazes de domar estas três forças. O grande equívoco que cometemos é enxergar essas possibilidades apenas em escala macro. Como se todo o esforço feito para alcançar esse olimpo, fosse desimportante. Na corrida pelo sucesso inatingível, esquecemos de celebrar os pequenos êxitos e de agradecer por tê-los conquistado um pouco a cada dia.

Não há receita mágica que nos leve até as grandes conquistas. O que temos ao alcance das mãos todos os dias, é a possibilidade de vencer pequenos desafios que se acumulam ao longo do tempo, e que acabam transformando-se em conquistas memoráveis. Mas isso só é possível quando nos mantemos firmes, atentos, gratos e celebrando sempre as nossas pequenas conquistas.