O que a falta nos faz

Sentir falta… Quantas coisas cabem nesta expressão? É necessário puxar pela memória para dar conta de tudo aquilo e de todos aqueles que fizeram parte da nossa jornada até agora. Porém, também é possível sentir o que a falta nos faz, mesmo quando não vivemos ou experimentamos algo. A falta não se prende ao tempo e, tampouco, a realidade.

Há um quê de fantasia nesse sentimento. Basta imaginarmos uma cena, um lugar ou uma experiência, para que a nossa criatividade nos presenteie com uma irrealidade tão vívida, que nos fará sentir a sua ausência. Assim, as estórias não precisam de protagonistas e cenários verdadeiros para tornarem-se momentos importantes.

Com alguma frequência, me pego sentindo falta de situações que não vivi ou de lugares onde jamais estive. O que talvez pareça um tanto estranho mas, olhar uma fotografia, ler um livro ou assistir a um bom filme, são gatilhos que permitem que sejamos tragados por uma deliciosa ilusão, da qual será muito bom sentir falta. Isso, certamente, nos ajudará a buscar na realidade, aquilo que gostaríamos de experimentar.

A falta, apesar da semelhança, não é sinônimo de saudade e, sim, parte dela. Essa palavra tão exclusiva da nossa língua e que agrega tantas emoções, traz consigo, lembranças de momentos que vivemos de fato e que adoraríamos reviver. Registros que deixam marcas e nos transformam em quem somos, sempre serão o objeto da nossa saudade.

Sentir falta é algo amplo e não se restringe ao passado. É igualmente presente e futuro. Sentimos por não ter em nosso cotidiano, não apenas as pessoas queridas, mas também, aquelas que não eram afetos óbvios. Sentimos ao projetar um futuro onde, pessoas que fazem a diferença em nossas vidas, não estarão mais ao nosso lado, independente da nossa vontade. Transformando, dessa forma, um devaneio abstrato em algo perturbadoramente concreto.

Entretanto, a falta nem sempre estará atrelada ao que queremos rever. Ao contrário. À medida que seguimos os nossos caminhos acumulando vivências, criamos uma extensa lista de coisas e pessoas que não farão a menor falta. O que é ótimo, pois reduz o fardo de carregar inutilidades, além de criar mecanismos de autoproteção contra ciladas sutis e inconvenientes frequentes.

Nossas experiências, por mais simples que possam parecer, mostram que a falta será uma constante que não fará distinção de idade, cor ou credo. E há uma razão para isso: as perdas que sofremos. Perdemos, desde muito cedo, pessoas e momentos que são caros para nós. Mesmo na nossa imaginação, perdemos, pois não saberemos se aquela ilusão poderá, um dia, ser revivida.

Perdas geram registros que deixam claro que, a partir de um determinado ponto, caminharemos sozinhos com as memórias do que vivemos ou que gostaríamos de ter vivido. É aí que a falta nos pega pela mão e aperta forte. Ajusta seu passo ao nosso e nos segue, caminhando lado a lado, não importa o rumo que vamos seguir.

Seja passada, presente ou futura; mais forte ou mais frágil; real ou imaginária. Sentiremos, de um jeito ou de outro, os efeitos que a falta nos faz.

E no meio de tanta gente

Falar sobre solidão pode ser uma cilada que nos leva ao lugar comum onde, estar só, é estar abandonado. Longe disso. Solidão pode ser a dois, em grupo ou no meio da multidão. A sua presença não se mede pelo número de pessoas que temos a nossa volta e, sim, pelo quanto estamos disponíveis para elas e vice-versa.

Mas este não é um texto sobre solidão e, sim, sobre escolhas. Estar só ou acompanhado, é algo que escolhemos com base nas conexões que fazemos com os nossos universos particulares.

Ouvimos, desde que nascemos, conselhos sobre quem era boa ou má companhia, com base nos padrões da tradicional família e com as variações do mundo de tempos em tempos. Crescemos e continuamos a classificar as companhias, agora por nossa conta e risco. Tentamos criar o nosso próprio padrão de escolha, por mais que digamos que não.

Isso, muitas vezes, determina de que forma iremos disponibilizar nosso tempo e atenção entre aqueles que estarão perto de nós. Amigos, conhecidos, os indispensáveis ou nem tanto… O elenco será montado de acordo com o grau de importância que as pessoas terão e isso dirá por quanto tempo irão permanecer em nossas vidas.

A grande questão é o quão seletivo ficaremos a partir disso. Desenvolvemos filtros que variam em eficiência, o que significa dizer que, sem notar, escolhemos estar mais solitários ou mais soltos no meio de tanta gente. O que nem sempre será sinônimo de boas escolhas…

Reparem que não fazemos uma programação prévia que diz o momento em que estaremos circundados de atenção ou agradecendo por não ter recebido nenhuma ligação, combinando para sair. Este é um jogo onde, estar só ou acompanhado, depende da disponibilidade e o interesse de outros participantes. Logo, o controle sobre o fluxo de pessoas em nossas vidas está longe de ser unilateral.

Talvez, o culto à felicidade desmedida confunda um pouco a nossa percepção sobre quando é bom estar rodeado de amigos e quando os momentos solitários são para lá de preciosos. E assim, vamos criando molduras lindas que abrigam momentos de sorrisos ultra felizes, festas incríveis  e repletas de pessoas igualmente encantadoras. É isso que escolhemos mostrar, mesmo que ocorra esporadicamente. Mostrar-se em bandos animados tornou-se quase obrigatório.

É importante ter em mente que há uma dinâmica que rege as relações e que, ora estaremos mais felizes em grupo, ora seremos pessoas melhores se desfrutarmos da nossa própria companhia. Não há nada de mal nisso, ao contrário. O grande problema é que estamos caminhando a passos largos na direção de universos paralelos, onde a realidade e o mundo virtual não são equivalentes.

Como isso é possível? Simples. Decidimos demonstrar o brilho de nossa coletividade em plataformas virtuais, enquanto restringimos as nossas relações no mundo real e sem filtros.

Estar indisponível para novas experiências reduz as chances de estabelecer novas relações com infinitas possibilidades. E, dessa forma, não demonstramos ao outro que estamos prontos para começar um novo jogo. Ser incríveis e cheios de amigos nas telas frias é divertido, porém perigoso. Na vida, é preciso criar conexões. Ficar restrito a poucos e bons pode ser a escolha que nos fará andar de mãos dadas com a solidão.

 

O novo ano

Olhar para trás ou para frente? O último dia do ano tem o poder de criar um transe coletivo, que provoca uma explosão que reúne sentimentos e lembranças das coisas que já vivemos, com as esperanças e incertezas sobre o novo ano que está por vir.

Mas, independente de como tenha sido o ano que passou, a transformação no calendário cria uma atmosfera quase mágica que nos permite, dentre outras coisas, deixar os problemas de lado e celebrar tudo aquilo que foi importante e desejar que dias mais tranquilos estejam reservados para nós.

O tão celebrado ano novo é muito curioso. Já perceberam que, com a sua chegada, nos aproximamos da criança que fomos um dia? Somos tomados por uma esperança quase ingênua que nos leva a listar infinitos desejos até quase perder o fôlego, com um brilho no olhar que que não se nota todos os dias e com uma pureza que, infelizmente, não conseguimos demonstrar com facilidade.

Nesses momentos, nos aproximamos daqueles que são preciosos para nós. Não apenas porque são familiares e amigos, mas porque é junto a eles que conseguimos dividir as nossas experiências e fortalecer vínculos que se afrouxaram, mesmo contra a nossa vontade. À medida que a vida vai passando, entendemos que as datas emblemáticas como o ano novo, são, na verdade, refúgios que nos obrigam a desacelerar, respirar fundo e olhar para quem está ao nosso redor.

Mas, até aí, tudo bem. Já conhecemos e repetimos esse comportamento ano após ano. Lembramos que é preciso ter por perto quem importa mas, por que, então, não fazemos isso com mais frequência? Culpamos a vida corrida e, com isso, tentamos convencer aos outros e a nós mesmos que somos mais ocupados do realmente somos. Criando, assim, uma mentirinha sincera para atenuar a nossa ausência.

Entendo que não há como negar que somos tragados pela rotina que individualiza e afasta da coletividade. Mas, por mais inevitável que isso possa parecer, é preciso um criar um movimento contrário que nos force a encarar o lado oposto e incluir nas agendas tão superestimadas, aqueles de quem só lembramos ao fim de cada ano.

Quem de nós não está com uma lista repleta de desejos novos e antigos para o ano novo que se inicia? Quantos seguirão adiante e quantos serão abandonados pelo caminho? As incertezas da virada serão sempre equivalentes ao número de pedidos que projetamos. Há os simples, os desafiadores e os quase impossíveis. Desejos que nos transportam para realidades fantásticas onde podemos compartilhar o que queremos, com quem faz a diferença.

Mas, por que  deixar que isso fique restrito a nossa imaginação? Não faz muito sentido passarmos tanto tempo pensando em “como teria sido”, se não for para transferir energia para fazer as coisas acontecerem de fato. São tantas distrações irrelevantes, que impor limites a elas é quase um ato de resistência. E é isso que nos transformará em pessoas mais disponíveis para pôr em prática todos os planos que imaginamos para o ano que acaba de começar.

Por estas e outras razões, que é necessário olhar para trás e conferir o que foi feito, o que foi deixado de lado e o que valeu a pena. Assim como olhar para frente e adaptar seus sonhos ao novo ano. Inclua todos os que puder e não se esqueça de traçar caminhos largos para que muitos desejos, pessoas e experiências possas pedir passagem. E, se for possível seguir um conselho para o ano que acaba de nascer, esteja sempre disponível para aquilo que a vida te oferecer.

Feliz 2018.

Encontros de dezembro

Na vida, poucas coisas são tão certas quanto as transformações provocadas pela chegada dos encontros de dezembro. Mas isso não está necessariamente relacionado ao natal. É como se, depois de um ano onde todos aqueles que seguiram caminhos diversos, mirassem o mesmo horizonte e começassem a traçar rotas paralelas que os levarão a lugares comuns.

Vários são os pontos de convergência nessa época: crianças de férias, verão, praia, viagens… De maneira geral, é em dezembro que, apesar da correria, as pessoas tornam-se mais receptivas e dispostas a dividir seu tempo e atenção com aqueles que, de alguma forma, participaram de suas vidas nos últimos meses.

Dezembro traz consigo, uma atmosfera de confraternização. Nenhum outro mês é capaz de agregar tantas reuniões de amigos, familiares e parceiros de trabalho. Reuniões que lotam as nossas agendas mas que, também, ajudam a nos lembra que é preciso estar e se fazer presente, mesmo que seja uma vez por ano.

Essa intensidade de encontros que, algumas vezes, pode parecer protocolar e quase forçada, nos possibilita muitas coisas, especialmente, que olhemos com mais cuidado para as pessoas que, mesmo dividindo horas conosco, não passem de ilustres desconhecidos. É também, nesse momento, que rememoramos experiências coletivas, porém,  sob pontos de vistas deliciosamente diferentes dos nossos.

Os encontros de dezembro permitem reuniões há muito programadas, mas que nunca acontecem apesar da nossa vontade, trazem novas pessoas que ainda não conhecemos e, acima de tudo, nos brindam com inúmeras histórias de vida que, infelizmente, passamos o ano inteiro negligenciando.

É curioso o nosso comportamento às vésperas de um ciclo prestes a terminar. Diminuímos, gradativamente, as nossas barreiras de autoproteção, baixamos a guarda e permitimos a aproximação do outro, seja dos mais afins, seja dos mais distantes. Abrimos nossos canais de escuta e compreensão de um jeito que só fazemos ao longo dos últimos dias do ano. Como se precisássemos fechar contas em aberto, atar nós frouxos ou, simplesmente, assumir erros que levamos muito tempo para aceitar.

Talvez, o nosso grande ponto de encontro, seja o desejo de estarmos mais próximos de todos que nos são caros de alguma forma. E, para nossa sorte, dezembro chega e nos liberta de todas as desculpas que inventamos durante o ano, permitindo que, enfim, seja possível dar atenção ao que é importante, de fato.

Muitos chamam isso de espírito do natal. Não duvido. Mas independente de nossas crenças, o mês doze cumpre a sua função com maestria. Nos unimos em torno de mesas onde é possível enxergar as pessoas sem filtros. Dali surgem parcerias, estórias, amores e revelações que fazem tão bem ao coração e a alma, que fica difícil entender porque nos privamos desses encontros com tanta frequência.

É, também nesta época, onde o consumo nos domina e transforma, que entendemos e sentimos que é a presença do outro o que nos faz falta. O presente é sempre ótimo, uma vez que vem acompanhado de uma lembrança mas, o abraço apertado, a gargalhada frouxa e o brilho nos olhos sempre serão os maiores e melhores presentes que teremos a felicidade de receber. E isso só é possível quando trocamos presentes por presença.

Feliz Natal!

Olhares ácidos

Outro dia ouvi uma mãe se queixando, pois havia percebido que seu filho, ao chegar em um encontro familiar, tornou-se, de forma negativa, o centro das atenções. Isso a incomodou. Pode ter sido apenas uma impressão ruim daquela mãe… ou não. Mas isso me fez pensar em quantas vezes já fomos alvo dos olhares ácidos de tantas pessoas? Difícil dizer mas, sinceramente, quem se importa?

Muitos se importam, infelizmente. Ainda somos afetados pela simples ideia de que seremos, em algum momento, observados com um tom de reprovação. O que, para muitos, é um grande problema, uma vez que ao sermos notados, nos transformamos em uma vitrine, observada sob óticas muito particulares e sobre as quais não temos o menor controle.

Mas, por que o olhar do outro sobre quem somos de fato ou sobre aquilo que mostramos para o mundo, nos desafia tanto? Essa pergunta terá muitas respostas que irão variar de acordo com o momento em que vivemos. O que significa que, dependendo da circunstância e, obviamente, da nossa maturidade, gastaremos mais ou menos energia para lidar com isso. E será uma escolha dar crédito ou não, aos que nos olham, comentam e julgam sem qualquer critério.

Esse caminho é longo e árduo pois, desde sempre, ouvimos críticas que se baseiam apenas na opinião alheia. Quem nunca ouviu a pergunta maledicente: O que os outros vão pensar de você? Isso, de fato, não deveria ser um problema, afinal, estamos no mundo para sentir e provocar reações naqueles que cruzam o nosso caminho.

A grande questão é o impacto que essa pergunta cinicamente cuidadosa, pode causar em quem a escuta. Alguns utilizam esse juri ilegítimo para marcar posições e ditar o seu próprio comportamento, independente do alcance e da quantidade de olhares punitivos. Enquanto para outros, basta apenas um olhar de censura para que sonhos, desejos e projetos desmoronem como um castelo de cartas.

Com o passar do tempo, adquirimos uma casca que nos torna mais resistentes a maledicência do outro. De formas diferentes, é claro, uma vez que somos diversos em nossa capacidade de tolerar e acatar vereditos de observadores que, sabem pouco ou quase nada, sobre quem somos ou sobre o que queremos.

Isso não é sinônimo de indiferença a opinião alheia, mas é preciso estar atento e separar o que é importante, daquilo que não faz a menor diferença. Cedemos, mais vezes do que gostaríamos, a pressão incômoda de um olhar pleno de críticas vazias. O que é irritante, mas não deve ser levado tão a sério.

Não há fórmula mágica que nos torne imunes a isso. Sentiremos na pele a dor, a irritação e a frustração de julgamentos efêmeros que duram frações de segundos. Sim, recortes de tempo tão insignificantes, que não devem ser superestimados ou valorizados além da sua pouca importância.

É claro que não iremos, a partir de agora, ignorar os olhares ácidos que pousarão sobre nós, até porque , em muitos momentos, eles partem dos nossos próprios olhos. E, por esta razão, sabemos que um olhar pode vir acompanhado de um julgamento, mas isso jamais será capaz de sentenciar ou interferir  na forma como o outro deve pensar ou agir.

Ser quem se é, fatalmente atrairá a atenção alheia, para o bem ou para o mal.  Cabe a nós escolher, dentre tantos, quais são os olhares que realmente importam.

As armadilhas do sim

Todo fim de ano é sempre igual. Muitas coisas a fazer e quase nenhum tempo para transformá-las em realidade. O que traz uma aflição, uma vez que não tiramos da cabeça, a ideia de que precisamos resolver todas as pendências do ano, em menos de trinta dias. Nesta louca lista de afazeres, incluímos atitudes que não tomamos, vontades não realizadas, remorsos, desentendimentos e reconciliações que, certamente, poderiam ter sido resolvidas muita antes.

Por ser um padrão quase unânime, fica difícil enxergar o que nos leva a repetir o mesmo comportamento, mesmo que seja tão incômodo. É difícil bater o martelo, mas precisamos assumir a responsabilidade por, pelo menos, uma questão: Não queremos dizer não para nada.

Mas insisto em dizer que, o que mais nos incomoda, não é o fato de não podermos cumprir todo o nosso planejamento. O que nos aflige é a demanda criada por nós mesmos e que, de antemão, sabemos que não será cumprida. Há uma explicação razoável para isso. Não é apenas uma dificuldade em dizer não mas,  queremos dizê-lo de fato?

Negar um convite para uma festa ou mesmo que seja para um cafezinho, pode criar um dilema que, quase sempre, existirá apenas em nossa imaginação. Como se criássemos uma realidade onde aquele convite, uma vez negado, pode não acontecer novamente, o que nos colocaria em uma situação de abandono e esquecimento. Parece loucura, mas é bastante comum…

O que nos faz reagir dessa forma? Dizer sim para tudo gera uma ansiedade enorme, por sabermos que jamais conseguiremos estar em todas as ocasiões para as quais dissemos sim. O sim evita conflitos, encerra divergências e sempre nos deixa bem em qualquer foto.

Talvez seja por esta razão que estamos sempre a espera de respostas positivas para tudo. O sim acelera processos e, como vivemos em um mundo onde perder tempo é quase um crime, nos habituamos a dizer exatamente aquilo que o outro espera ouvir, mesmo sabendo que, por trás daquele sim, não há nenhum compromisso com a verdade.

Ainda assim, nos mantemos firmes nessa postura pois, pelo menos de imediato, conseguimos driblar problemas e situações desconfortáveis, todas as vezes em que escolhemos dizer sim. Isso explica, em parte, a dificuldade que muitos de nós têm para dizer não. Levamos uma vida para entender o poder libertador dessa palavra tão simples e direta, que é capaz de nos salvar de tantas ciladas vida afora.

Passamos o ano inteiro aceitando o que não queríamos e fazendo coisas chatas por conveniência, pelo simples fato de dizer sim de forma quase automática. Mas é no fim do ano que fazemos uso da nossa capacidade máxima, como se o sim nos redimisse de ausências, omissões ou coisas do tipo. Optamos pelo nosso desconforto para agradar aos outros, apenas para que continuemos a fazer parte da vida daquelas pessoas, nem que seja uma vez por ano.

Visto dessa forma, parece que o sim é um lobo em pele de cordeiro. Não é. O sim é uma poderosa arma que nos ajuda a chegar, de alguma forma, onde queremos. Porém, quando banalizamos o seu uso, apenas para não assumir que não damos conta de tudo, perdemos preciosas chances de usá-lo em momentos realmente relevantes. A razão para isso pode ser bem simples: o que acontece, muitas vezes, não é culpa da nossa disponibilidade para dizer sim, mas sim, da nossa falta de coragem para dizer não.

O que está acontecendo comigo?

Ontem, eu ouvi uma crítica e mudei de atitude. Hoje, me disseram para eu não fazer o que faço. Amanhã, me dirão para mudar um pouco mais. E eu mudo… Depois de um tempo, todas essas interferências começam a afetar quem somos e uma pergunta torna-se inevitável: O que está acontecendo comigo?

Esta é uma resposta difícil, que nem sempre estamos dispostos a responder. Não é nada fácil reviver escolhas ruins, relembrar pessoas abusivas e, acima de tudo, assumir que poderíamos ter sido menos tolerantes com coisas e pessoas que, claramente, não mereciam.

Tolerância. É estranho ver um comportamento que, em teoria, deveria ser o fiel da balança em situações tensas e difíceis, transformar-se, erroneamente, em sinal de fraqueza. Ser tolerante nos permite ser agregadores e compreensivos, o que pode causar uma certa confusão. Tolerar não é sinônimo de permitir sem restrições.

Talvez esse erro conceitual, com o qual aprendemos a conviver desde muito cedo, seja a causa de uma cascata de acontecimentos que podem trazer felicidade ou não, fechar portas ou não, libertar ou aprisionar em relações e hábitos que fazem mal, mas que, em muitos momentos, nós simplesmente não somos capazes de encontrar uma saída.

É evidente que ninguém escolhe o pior para si mas, por causas diversas, criamos uma casca de tolerância ao comportamento do outro que obriga, muitas vezes, abrir mão de desejos próprios para sustentar o querer alheio. Até aí, tudo bem. Intercalar conquistas com quem escolhemos, é ganhar duas vezes. Mas, nem sempre é assim.

Pessoas flexíveis relacionam-se com pessoas menos maleáveis. Isso, obviamente, não é uma regra, apesar de bastante comum. O que me leva a arriscar que, nesses casos, a tolerância de um alimenta a intolerância do outro. Pode parecer radical, mas tentar responder a nossa pergunta inicial pode ser um bom exercício. Mas uma coisa é possível afirmar, a pessoa que somos hoje, é fruto de escolhas prévias que, certamente, irão nos dizer se fomos ou somos tolerantes demais ou de menos.

A maioria de nós flutua de um lado para o outro com muita frequência, mas há aqueles que escolhem a intolerância como bandeira. Esses precisam de uma revisão de seus conceitos o quanto antes. Se tolerar em demasia pode ser um problema, ser intolerante é, de fato, uma fonte inesgotável de desequilíbrio. Ser inflexível estabelece uma rigidez na forma de ser, pensar e agir que afasta qualquer possibilidade de usufruir e conhecer aquilo que é, naturalmente, diferente de nós. E isso pode ser o gatilho para atitudes, no mínimo, questionáveis.

A intolerância tem um potencial enorme para nos transformar em estúpidos e impacientes, uma vez que não há argumentos razoáveis para aqueles que só conseguem ver o mundo através do próprio umbigo. Pontos de vista estreitos provocam uma alteração da paisagem que se vê. Como se a vida fosse observada a partir de uma lente de aumento, por onde só é possível enxergar o que quer, quando quer e do jeito que for mais fácil. Intolerantes são limitados, isso é um fato.

Se de uma hora para outra, percebermos que nossos movimentos estão mais contidos, que a nossa gargalhada transformou-se em um sorriso pálido e que passamos a ver as coisas através de ângulos cada vez menores, é melhor ficar atento. Esses são sinais claros de que estamos cedendo aos limites e a falta de tolerância alheia.

Mas isso não é um problema. Basta parar e perceber que também é preciso ser tolerante consigo. Devemos dar segundas chances a nós mesmos. Isso nos permitirá enxergar, perceber, errar e aproveitar tudo aquilo que a vida nos oferece. Ser ou não ser intolerante proporcionou e continuará a proporcionar experiências que nos permitirão responder com segurança quem, de fato, nos tornamos.

O que eu faço agora?

O que devemos fazer quando não temos a menor ideia do que fazer? Paralisar-se diante de uma situação pode ser uma possibilidade. Agir com violência também. Ainda há aqueles que choram e aqueles que sorriem diante de uma circunstância absolutamente inesperada. A única coisa em comum a todos é a pergunta: O que eu faço agora?

Para essas surpresas, não existe um padrão de comportamento à venda capaz de nos salvar das inúmeras saias justas que teremos que vestir vida afora. Algumas delas, mais de uma vez.

Se pararmos para pensar, é raro sentir-se realmente pleno sobre algo ou alguém. Mas isto não nos torna inseguros crônicos, tampouco, donos absolutos da verdade. Na maior parte das vezes, reagimos àquilo que o cotidiano apresenta, como se, a cada dia, fossemos desafiados a atuar em um filme, do qual temos apenas uma vaga ideia sobre o roteiro, elenco, texto e direção.

Então não somos os responsáveis por nossas próprias estórias e experiências? Sim, somos. Mas é preciso aceitar que temos pouco ou nenhum controle sobre os rumos que, de fato, vamos seguir.

Visto desta forma, até parece simples, mas é dificílimo perceber isso de forma racional. Vivemos um dia após o outro, sempre cercados pela ideia, presunçosamente ingênua, de que temos, sob o nosso controle, as rédeas de nossas vidas.

Para alguns, isto pode ser desafiador, mas para outros, significa um verdadeiro pesadelo. Afinal, lidar com o desconhecido o tempo todo, determina que não saberemos como agir com mais frequência do que se pode suportar. O que nos faz pensar e entender um pouco sobre nós mesmos e a forma como reagimos as peças que a vida nos prega.

É curioso pensar que parte do que somos está relacionada aos nossos momentos mais vulneráveis, onde, em situações de puro constrangimento, demonstramos uma pureza quase infantil na forma de pensar e agir. Talvez isso justifique reações impulsivas e imprevisíveis, comum a todos nós, quando não sabemos o que fazer. Claros resquícios da criança que fomos um dia.

Passamos tanto tempo aprendendo, a duras penas, como devemos ser decididos e confiantes que rejeitamos, completamente, a possibilidade de parecermos frágeis diante de qualquer situação. O que é uma grande bobagem, uma vez que jamais saberemos lidar com todas as situações, embora seja difícil de admitir, não temos resposta para tudo e, sim, ficaremos com caras de bobo muito mais vezes do que gostaríamos.

Pensar sobre isso ajuda a enxergar a quantidade de camadas que acumulamos com o passar dos anos e, como nos preparamos para usá-las em ocasiões diferentes, criando a falsa sensação de que estaremos sempre prontos para qualquer parada.

Na verdade, essas capas tornam-se pesadas demais e impedem que demonstremos incertezas e inseguranças, inerentes a cada um de nós. Sobre tudo isso, uma coisa é certa: A vida seria muito mais leve, se admitíssemos  que não há problemas em não ter respostas para tudo e, que não deveríamos nos esforçar tanto para esconder a espontaneidade da dúvida.

Desejo versus realidade

Depois de um tempo, muitas das nossas convicções mudam e, coisas em que acreditávamos transformam-se em rascunhos esmaecidos pelo tempo. A melhor prova disso está relacionada a um simples comportamento infantil, mas que adoramos repetir inúmeras vezes ao longo da vida: O que eu vou ser quando crescer? Essa parece ser a melhor síntese daquilo que passamos anos tentando compreender: desejo versus realidade.

Dentro dessa pergunta cabem muitos sonhos, muitas incertezas e muitos desejos. Queremos tantas coisas e pensamos nisso o tempo todo mas, o que conseguimos concretizar a partir dos nossos desejos? Não há como saber ao certo, uma vez que somos pródigos em desejar, pedir e esperar que esses desejos sejam alcançados. Mas, na realidade, pouco importa o que foi conquistado de fato. O mais interessante é perceber o quanto somos capazes de mudar e nos adaptar diante daquilo que conseguimos construir a partir disso.

Apaixonar-se é um bom exemplo para falar sobre isso. Na maioria das vezes, idealizamos tudo. Da casa que queremos a empresa onde gostaríamos de trabalhar. E com as pessoas não é diferente. Projetamos desde a embalagem até a forma de pensar e, como seremos especialmente felizes, ao lado do mais novo amor das nossas vidas. Tudo deve cumprir o nosso tão exigente controle de qualidade. Quem nunca se viu nessa situação? E vamos além. Quem de nós pode afirmar que esta projeção transformou-se, de fato, em realidade, exatamente como imaginamos? Difícil…

Mesmo sabendo que nada disso funciona como planejamos, insistimos nessa ilusória sensação que, de alguma forma, conseguiremos ter um pouco de controle sobre os nossos desejos. É nessa batalha interna entre a causa e o efeito, que experimentamos o inesperado.

Sempre que vislumbramos um ponto de chegada, precisamos ter em mente que não sabemos o que vai acontecer após o primeiro passo. A vida nos mostra que há inúmeras formas para se chegar onde se quer mas, jamais, saberemos como será ao certo. São muitas variáveis que vão muito além do nosso simples desejo e, não contar com isso, pode ser um grande engano.

Voltemos ao exemplo da paixão. Quando nos deparamos com alguém que, mesmo superficialmente, preenche os requisitos do nosso desejo, imediatamente, começamos a tentar por em prática, todo o planejamento que passamos anos organizando. Às vezes dá certo por um tempo mas, como em todo bom plano, é preciso estar pronto para os imprevistos…

É nesse ponto em que somos capazes de sentir os efeitos daquilo que não podemos controlar. E, por mais óbvio que isso possa parecer, não levamos em conta que a nossa vontade é apenas parte de uma reação que, para dar certo, precisa de uma parceria que a complemente.

Mas, infelizmente, as coisas mais claras nem sempre são as mais fáceis de enxergar e, por isso, tentamos impor o nosso plano mirabolante e nos esquecemos que, do outro lado, existe alguém pronto para fazer mesmo. Talvez esteja aí a grande mágica disso tudo. Podemos planejar os nossos desejos mas, não saber como chegaremos lá, nos permite desenvolver um certo jogo de cintura que pode facilitar a nossa caminhada.

Reclamamos muito da vida e das dificuldades que ela nos apresenta, mas a responsabilidade de parte das nossas frustrações, possivelmente, esteja relacionada a dificuldade que temos em flexibilizar a forma como tentamos transformar sonhos em realidade. Para evitar que nossas vontades não passem de projeções vazias, precisamos entender e aceitar que existem mil possibilidades entre o desejo e a sua realização.

A dedicação é o que nos salva…

Sempre que pensamos em sucesso, felicidade ou amor, tentamos visualizar como estaremos tempos depois do início de uma nova etapa de vida. Mas o que deve-se fazer para conquistar o que se quer? Dedicação é, certamente, aquilo que nos salva. Será?

Não se enganem, pois este não será um daqueles textos que dizem que devemos ser absolutamente dedicados, não importa a hora ou o local. Não há dúvidas sobre a importância de estar comprometido e inteiro quando queremos algo, de fato. Mas há um erro de avaliação neste senso comum que nos leva a, quase sempre, insistir em projetos mal concebidos, sonhos sem planejamento ou amores imaginários. Acreditamos cegamente que, se as coisas não deram certo como era esperado, foi porque nos faltou dedicação e paciência.

Concordo que, em muitas vezes, é preciso perseverar para chegar onde se quer, porém, em alguns momentos, manter uma posição inalterada sobre algo que só  traz retornos negativos, não é uma prova de dedicação inabalável, mas sim, de uma teimosia envergonhada que nos impede de abrir mão de escolhas equivocadas.

Por conta disso, muitos investem tempo demais naquilo que, no fim das contas, tem importância de menos. Parece fácil falar sobre algo que só descobre-se vivendo, mas, se deixássemos de lado a boa e velha culpa que nos acompanha de perto e que aparece todas as vezes em que duvidamos de nossa capacidade de continuar seguindo em frente, talvez fosse mais fácil perceber a diferença entre dedicação de verdade e aquela burrice ocasional, capaz de nos cegar muito além do que gostaríamos.

Mas, até onde devemos ir para que seja possível convencer os outros e a nós mesmos, de que estamos dedicados e dispostos a a continuar no caminho que traçamos previamente? O limite para isso é impossível de precisar, mas é possível dizer que o caminho será longo, uma vez que a ideia de desistir do que quer que seja nos afeta profundamente, como se, mudar as regras do jogo, nos transformasse em fracassados confessos.

Reside, nesta questão, uma perversidade cínica que diz que só a dedicação nos fará alcançar metas e que, ao mesmo tempo, devemos suportar todas as dificuldades em nome daquilo que escolhemos… Isso talvez faça sentido naqueles momentos onde as escolhas e chances são escassas. Porém, à medida em que somos apresentados a novas possibilidades, mudar de rumos não significa falta de dedicação e, sim, uma simples e necessária mudança de ponto de vista.

Essa rigidez na forma de pensar e agir, escancara uma dificuldade coletiva que demonstra como, permitir-se mudar, é bastante complexo. Não nos tornaremos criaturas mais indolentes só porque nos permitimos mudar de opinião. Ao contrário. A mudança é essencial para que seja possível dedicar-se as experiências que valem a pena viver.

Somos apresentados a diversas situações, igualmente interessantes, diariamente.  E, neste leque de opções, podemos escolher a qual delas iremos nos dedicar e por quanto tempo, mesmo sabendo, de antemão que, em nenhum momento, teremos a certeza se estamos dedicando energia suficiente para algo ou alguém. Até porque esta percepção sempre terá dois, ou mais, lados distintos que, nem sempre são compatíveis.

Mas, independente disso, é essencial estar em paz com as próprias escolhas e com a forma como nos dedicamos a elas. Dedicação deve ser o reflexo da nossa vontade de transformar sonhos em realidade, sem perder de vista que esse processo pode até ser turbulento, mas que não pode, de forma alguma, cobrar um preço alto demais a ser pago.